Senta aqui, não vá embora, fique ao meu lado.



Nunca fui dessas pessoas que cobram das outras, jamais, não faz parte do meu catálogo de boas maneiras aprendidas ainda jovem. Eu nunca lhe pedi nada, não queria carrões, não queria dinheiro, tão pouco mansões, eu queria você do meu lado, alguém que eu pudesse contar, desabafar sobre meu dia a dia, queria contar porque discuti com uma mulher na fila da padaria depois de comprar aquela massinha doce que você tanto gostava, não te cobrei nunca nada, deixava obsoleto em certos momentos, vontades que tinha, para que? Para não te encher o saco com as minhas ladainhas, mas percebia que você não entendia o quão importante era pra mim ter você ao meu lado, por vezes jantei sozinha, sem falar as tantas vezes que ia no mercado sozinha, eu sei que não gostava, não reclamo por isso, mas eu queria que entendesse o quão solitária as vezes eu estava, não só pela presença, mas sim de espirito.


Hoje estou aqui olhando para fora da janela do quarto escuro que dividimos por tanto tempo, terminando mais uma xícara de café, o chocolate também fez parte da minha vida em um certo momento, e confesso, ele me ajudou bastante, por falar nisso, já nem sei quantas caixas eu ingerir depois que saiu pela porta dos fundos da nossa casa. Sim, me acostumei com a sua partida muito fácil, pelo simples motivo que vivia sozinha em mundo que eu queria dividir ele totalmente com você, mas, você não quis, ainda não me acostumei com a dor, por vezes ela toma o meu ser, e confesso à você, é ruim, machuca muito, mas eu estou me acostumando. O amor é meio que receita de bolo, na minha visão, é um pouco de cada coisa, para somar em algo bom no fim.


Estou aqui a pensar o que você deve estar fazendo, espero que possa estar feliz, em algum lugar legal, eu vou vivendo por aqui, saindo às vezes, frequentando uns barzinhos, tomando minha cerveja, estou tentando me desgarrar desse passado, conversei com muitas amigas, e elas tem me ajudado, flashes da nossa vida a dois passam pela minha memória, nossas comidas hiper calóricas de sábado à noite, vezes assombram a minha mente. Eu continuo idêntica, cabelo por fazer, unhas mau cuidada, mas com um coração repleto de saudade. E eu queria apenas que estivesse do meu lado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.