Narrado num ritmo alucinante e repleto de reviravoltas, O Pacto confirma o talento de George dos Santos Pacheco, um autor “em ebulição”


Após dois romances, participações em antologias e alguns prêmios literários, é assim que George é definido, no prefácio, do professor de Letras e doutor em estudos literários, Renato Alessandro dos Santos. “Palmas ao autor, que com O Pacto demonstra claramente o que é o passo adiante dado na carreira de um escritor que, sempre insatisfeito, buscará a forma mais adequada para expressar o que pretende contar debaixo do véu artístico da ficção, algo que só o romance, como gênero, é capaz de oferecer a um artista – como o George, o romancista em ebulição por trás deste livro”.

Em O Pacto (Clube de Autores, 2017), George narra a história de Théo Lücke, homem que se depara desmemoriado à frente do próprio Diabo e se vê obrigado a um acordo para ser livrar da condenação eterna. De volta ao mundo dos vivos, ele corre contra o tempo para encontrar um substituto e descobrir a verdade sobre si mesmo. O livro é o terceiro romance do autor, que estreou em 2010 com O fantasma do Mare Dei (Multifoco) e seguiu com publicações em antologias, em sites especializados e colunas de portais de notícias. Alcançou certa notoriedade com a adaptação de seu conto A Dama da Noite para um curta metragem homônimo, em 2014, e no ano seguinte, com a publicação do erótico Uma Aventura Perigosa (Buriti), um envolvente romance, aclamado pela crítica e público.

“O livro retrata aspectos como a passagem do tempo e conflitos entre a memória e realidade”, explica o autor. “É um romance sobre o gênero humano, sobre a sociedade contemporânea. Quantas vezes vamos ao inferno ao dia? Quantas vezes procuramos culpados pelas nossas próprias falhas e omissões?”, completa George.


O Pacto, recheado de referências à mitologia, música, e filmes, entre outros, tem um ritmo empolgante e flui naturalmente; o leitor parece arrastado para dentro da história, acompanhando ansiosamente Théo, personagem central da trama, em sua busca pelo que fez antes de perder a memória.

O livro tem previsão de lançamento para abril de 2017 e brevemente estará em pré-venda no site do Clube de Autores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.