Livro “Jaceguai, 27” narra importante capítulo da MPB


 - Sarau em São Pedro da Serra lança a campanha de financiamento coletivo para publicação do livro de Leila Affonso e Jorge Fernando dos Santos, com participação da cantora Luhli –

A campanha de financiamento coletivo do livro "Jaceguai, 27", escrito a quatro mãos pela carioca Leila Affonso e o mineiro Jorge Fernando dos Santos, será lançada em um sarau no dia 17 de março (sexta-feira), às 20 horas, na Ecoarte (Rua Rodrigues Alves - São Pedro da Serra/Nova Friburgo - RJ). Entre os convidados, destaca-se a compositora e cantora Luhli.

Foi na Rua Jaceguai, 27, no tradicional bairro carioca da Tijuca, que muitas histórias se passaram relacionadas à Música Popular Brasileira, resultando na formação do Movimento Artístico Universitário (Mau). Segundo o jornalista Sérgio Cabral, o imóvel de dois andares foi tão importante para a MPB quanto à casa da Tia Ciata foi para o samba e o apartamento de Nara Leão, para a Bossa Nova.

Em 1961, o psiquiatra e violonista Aluizio Augusto Porto Carreiro de Miranda e sua esposa, Maria Ruth, alugaram o imóvel e nele passaram a realizar reuniões com músicos da velha guarda, entre os quais, Bororó, Cartola, Donga e o também chargista Nássara.

Em 1966, suas filhas adolescentes, Regina e Angela, passaram aconvidar os amigos e colegas, que transformaram as noites de sexta-feira em sarauscada vez mais frequentados. E foi a partir desses encontros que nasceu o Mau, formado por talentos como Aldir Blanc, Gonzaguinha, Ivan Lins, Cesar Costa Filho,Eduardo Lages, Lucinha Lins, Sílvio da Silva Júnior, Marcio Proença e muitos outros.

Mesmo com a importância histórica reconhecida, a antiga construção tijucana foi demolida em 2014, para dar lugar a um edifício de apartamentos. O livro “Jaceguai, 27”, escrito por Jorge Fernando dos Santos e Leila Affonso, revela bastidoresdaqueles encontros, revisita personagens e resgata um importante capítulo na história da MPB.

Como integrante da turma e cofundadora do Mau, Leila Affonso desfia suas memórias de forma coloquial, revivendo episódios da mocidade. Enquanto isso, o jornalista e escritor Jorge Fernando dos Santos, autor de 43 livros, entre eles “Vandré – o homem que disse não”, optou pela narrativa na terceira pessoa, acrescentando entrevistas e contextualizando os fatos.

Em tempos de vacas magras no setor cultural, optou-se pelo financiamento coletivo da publicação, através do sistema Catarse. Nada mais sugestivo para divulgar a campanha de apoio que a realização de um sarau, que contará com a presença de Leila Affonso, contando um pouco dessa história, e Luhli, artista que frequentava o endereço e que hoje faz parte de vários capítulos da MPB.

Para conhecer o projeto de financiamento coletivo do livro, basta acessar o link www.catarse.me/jaceguai27. O sarau conta com a produção executiva de Carla Strachmann, da Ecoar (Educando com Arte), e o livro, com a Mundo Produções e Editora Recanto das Letras.

SERVIÇO

Sarau “Jaceguai 27”
17 de março (sexta-feira)
20 horas
Ecoarte(Rua Rodrigues Alves - São Pedro da Serra/Nova Friburgo – RJ)

Entrada franca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.