Catherine Beltrão lança campanha para viabilizar seu primeiro livro


A autora de “ArtenaRede, do virtual ao real: a trajetória de um sonho”, Catherine Beltrão busca apoio para viabilizar o seu primeiro livro. Com uma campanha de financiamento coletivo (Crowdfunding), ela propõe que interessados em arte assinem um sonho, que começou com um site, e futuramente a ideia é criar um museu.

O livro trata do projeto ArtenaRede, que reúne Tecnologia e Arte, um dos sonhos de Catherine, engenheira de formação e amante das artes por criação, influência de sua avó. Há 15 anos nasceu o site www.artenarede.com.br, com catalogação e divulgação de obras de arte via Internet, que deu tão certo, que artistas de vários estados brasileiros, além de Portugal e Argentina, já doaram, e outros estão dispostos a doar obras para o acervo de um futuro Museu ArtenaRede, que poderá ser em Nova Friburgo/RJ.


Catherine explora com detalhes nas páginas de seu livro algumas histórias das 65 obras de arte já doadas para o futuro museu, dividindo com os leitores essa trajetória e desejo da concretização de um grande projeto cultural. Sobre o lançamento do livro em Nova Friburgo, a autora adianta que acontecerá tão logo os livros tenham sido impressos (entre maio e julho). No Rio de Janeiro, é certo de acontecer na  XVIII Bienal Internacional do Livro, no espaço da Editora Litteris, entre 31 de agosto e 10 de setembro.

Catherine Beltrão não é friburguense; nasceu em Paris, França, mas veio para o Brasil com 10 meses de idade, morou a maior parte da minha vida no Rio de Janeiro, e em 1996 resolveu fixar residência em Nova Friburgo, buscando qualidade de vida. "E encontrei. Para morar e trabalhar. Amo Nova Friburgo", destaca a autora.

A iniciativa de lançar o livro “ArtenaRede, do virtual ao real: a trajetória de um sonho”, de Catherine Beltrão, já conta com o apoio de Girlan Guilland, Henrique Cordeiro, André Mello, Pedro Bessa e Ana Gadini (Nova Friburgo); Roberto Vieira, Eduardo Vieira e Ricardo Benevides (Rio de Janeiro); e Luiza Caetano (Portugal).

Contribuição/recompensa
Para aderir à campanha, basta acessar o link https://www.kickante.com.br/campanhas/livro-artenarede-do-virtual-ao-real . As recompensas vão desde agradecimento na página do projeto no Facebook e impresso no livro, a marcador de livro, sacola personalizada, ou até mesmo palestra com a autora e, é claro, livros para ter e/ou presentear. Mas corra porque a campanha termina no dia 18 de março. Confira: 

R$20,00 - agradecimento virtual e impresso no livro
R$60,00 - 1 livro, 1 marcador de livro, agradecimento virtual e impresso no livro
R$200,00 - 3 livros, 3 marcadores de livros, 3 sacolas personalizadas, agradecimento virtual e impresso no livro
R$650,00 - 10 livros, 10 marcadores de livros, 10 sacolas personalizadas, agradecimento virtual e impresso no livro
R$1.500,00 - 10 livros, 10 marcadores de livros, 10 sacolas personalizadas, 1 palestra de 90 minutos sobre "A trajetória de um sonho", com a autora (gastos com transporte, hospedagem e alimentação para duas pessoas, fora do Rio de Janeiro ou não Friburgo, não inclusos), agradecimento virtual e impresso no livro
R$6.500,00 - 50 livros, 50 marcadores de livros, 50 sacolas personalizadas, 1 palestra de 90 minutos sobre "A trajetória de um sonho", com a autora (gastos com transporte, hospedagem e alimentação para duas pessoas, fora do Rio de Janeiro ou não Friburgo, não inclusos), logotipo na página de abertura dos livros que receber, agradecimento virtual e impresso no livro.

Acesse também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.