Inteligentinhos e Feministas


Está claro que todo e qualquer ser humano, em pleno século XXI, tem acesso a internet. E isso, faz com que tenhamos em nossas mãos uma ferramenta mundial; algo inovador e impressionante. – Por outro lado – Isso por ser banal, nas mãos de outros seres.

A claridade de ignorância e irracionalidade, tem aumentado seriamente por movimentos anti-políticos ou ideologias, que, pregam um radicalismo incrivelmente bobo. A questão que trarei é o Inteligentinho e o Feminismo.

Primeiramente, o ser inteligentinho, é aquele que participa, socialmente dizendo: Do regime politicamente correto. O ser que está sempre dando em cima de uma imagem de si próprio, de partilhar o quanto sua conta bancária está tranqüila. 


Em debates são pessoas que, são a favor de absurdos, como o impeachtment da Dilma, movimentos radicalistas e protetores do clichê: “Estou certo, você está errado. “


Obviamente que estas pessoas são massivas e arrogantes. Protegem sentidos que são anti-humanos; entro, nessa questão, justificando que, anti-humano, é o termo que uso: “Dente por dente.” Seja no trabalho, na família e etc. Vale qualquer coisa para ter o ego bem confortável.

Segundo, as feministas; Primeiramente, feminista não entende nada de mulher. É claro e óbvio. – Ditar um regime ideológico, para tratar a mulher como uma semideusa e divindade, aniquilando que, biologicamente, a mulher está vinculada ao homem desde os primeiros tempos da humanidade. Isso não quer dizer, que, se caso há violência contra o sexo feminino, que devem se calar contra e abaixar suas cabeças. – Nunca. A mulher é o símbolo de fertilidade através da terra; Seu útero representa um gestor de vida, assim, expelindo a vida para o vasto universo. – A questão mais importante, que quero tratar: Feminista não entende nada de mulher. É só mais uma forma de radicalizar alguma coisa. Assim como o machismo, é o Ego do homem se inflando através de seu cérebro, deixando, a capacidade de realizar a lucidez.
Mulheres não devem criar um espelho do machismo através de considerações radicais. Claro, estas fazem o que querem como querem e quiserem. São acima de tudo, humanas.

Brenno Castro
escritorbrennocastro@gmail.com

Brenno Ariel Da Silva Castro nasceu em Nova Friburgo, RJ, em 1999. Aos 13 anos, mergulhou no Mundo da Literatura e logo apaixonou-se pelos livros, principalmente pela Poesia. Inspira-se profundamente em Fernando Pessoa e em seus heterônimos, especialmente, Alberto Caeiro. Sente que sua vida também é uma inspiração. Como costuma dizer: "Para transformar uma fantasia em poema é preciso, antes, ter vivido".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.