Escritora garante vaga na Bienal do Livro de São Paulo com campanha na internet

Lorena Brites vai representar a Região dos Lagos no maior evento literário da América Latina


Após meses de um intenso trabalho de divulgação na internet, a escritora Lorena Brites, 25, conseguiu arrecadar fundos para participar da 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que vai acontecer do dia 26 de agosto a 04 de setembro no Pavilhão de Exposições Anhembi. Considerada a maior feira literária da América Latina, a Bienal do Livro de São Paulo terá na programação nomes como o do filósofo Mário Sérgio Cortella, a youtuber Kéfera Buchmann e a best-seller Ava Dellaira, entre outros sucessos da literatura, e também, a poetisa de Arraial do Cabo, que está orgulhosa pela conquista.

“Em 2015 representei a Região dos Lagos na edição do Rio de Janeiro, foi lá que o meu livro de poesias estourou e espero que em São Paulo não seja diferente”, contouLorena Brites. Além de fazer parte do megaevento literário, a autora ainda vai apresentar a obra poética “Acervo de Palavras” no Patuscada Livraria, Bar & Café, espaço cultural situado em um dos bairros mais tradicionais da capital paulista, a Vila Madalena. O pré-lançamento da obra será um dia antes do início da Bienal do Livro, no dia 25 de agosto a partir das 19h. “Essa é a primeira vez que sairei do estado do Rio, e fazer o pré-lançamento do meu livro no Patuscada será uma honra, pois desde o ano passado tenho conversado sobre essa possibilidade com o Eduardo Lacerda, dono do espaço e também dono da editora Patuá, e que vem lançando novos nomes na literatura nacional. Tenho certeza que esse evento me trará sorte durante a temporada na cidade”, disse animada.


Para chegar até a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, Lorena Brites investiu tempo e muita determinação. Inicialmente lançou uma campanha de financiamento coletivo com intuito de arrecadar cerca de R$ 4 mil, mesmo sem sucesso continuou confiante e movimentou as redes sociais com vídeos de apelo sobre a sua meta. Fez rifa do próprio livro e montou um bazar na garagem de casa. A mobilização gerou bons resultados, a escritora da Região dos Lagos sensibilizou algumas empresas como a Auto Viação 1001, o Total Hotel, a Servgela Brindes, a Casa da Poesia, a Casa do Ouro, a estamparia Dedeco Arts, a Mais Comunicação Corporativa, o Clube do Marketing e a B Comunicação e Design, que estão a apoiando. 

“Empresários, amigos e até desconhecidos me ajudaram. Estou muito feliz em saber que tantas pessoas acreditam no meu trabalho e principalmente incentivam a arte no nosso país. Agradeço a todos que fazem parte da realização deste sonho”, declarou. A poetisa vai expor o livro “Acervo de Palavras” nos dez dias da programação da Bienal, no estande E083 da editora Autografia. Quem quiser conhecer mais sobre o trabalho de Lorena Brites basta acessar a página (facebook.com/AcervoDePalavrasLorenaBrites).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.