Escritora cabista faz campanha para lançar livro na Bienal de São Paulo


Conhecida na Região dos Lagos pelo livro de poesias “Acervo de Palavras (Ed. Autografia)”, a escritora e jornalista Lorena Brites, 25, está em busca de mais uma realização. Dessa vez o objetivo é lançar a obra durante a 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que vai acontecer do dia 26 de agosto a 04 de setembro no Pavilhão de Exposições do Anhembi. Lorena quer repetir o sucesso da edição de 2015 no Rio de Janeiro, quando participou pela primeira vez do megaevento literário. Em menos de um ano, a escritora já conquistou duas moções de aplausos, uma cadeira na Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências (ACLAC) e frequentemente é convidada para ministrar palestras de incentivo à leitura em escolas e instituições beneficentes.

Em fevereiro, a poetisa também lançou o projeto “Compartilhe 1 Livro”, onde recebe doações de livros para serem deixados em locais públicos. “Desde que publiquei o Acervo de Palavras busco criar e participar de ações que fomentem a leitura, sobretudo a poesia. Agora quero ir mais longe e apresentar meu trabalho fora do estado”, conta. E para isso, Lorena criou uma campanha de crowdfunding através de um site de financiamento coletivo, a meta é arrecadar R$ 4 mil para cobrir todos os gastos do evento como transporte, hospedagem, alimentação, entre outros custos.

“As pessoas acham que só porque tive reconhecimento com o livro já estou rica, mas a verdade é que todo dinheiro de venda é investido em novas impressões ou material de divulgação. Ou seja, no fim não sobre nada, e participar de uma feira literária internacional, ainda mais fora do da minha região é muito dispendioso. No ano passado usei a criatividade para conseguir participar da Bienal do Livro no Rio de Janeiro, promovi um sarau cultural e um bazar, deu certo. Esse ano os gastos serão o dobro, por isso, optei pelo financiamento coletivo como uma alternativa para realizar esse sonho.”, explica.

Além do auxílio em dinheiro, a escritora também fez um vídeo pedindo apoio com a hashtag #AcervoDePalavrasNaBienalDeSP com intuito de criar um viral nas redes sociais e chamar a atenção do público. Para quem quiser contribuir com a campanha basta acessar o link (http://www.kickante.com.br/campanhas/acervo-de-palavras-na-bienal-de-sao-paulo) e fazer uma doação. Os valores de colaboração são variados e as recompensas vão desde agradecimentos públicos até brindes como camisetas e livros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.