De São João a São Sebastião, o poeta da Voz de Trovão


O poeta JOÃO CARLOS CÔRTES TEIXEIRA (que também foi advogado, professor e vereador) nasceu em 24 de junho de 1945 - exatamente dia de São João, padroeiro de sua cidade, Nova Friburgo (RJ), fundada também por outro João, o "Rei Dom".

Com tantos dons, o menino João virou poeta e também Rei, rei de seu povo e de sua gente. Conquistou amigos, companheiros e seguidores, numa época em que estava longe de existir as atuais, modernas e (polêmicas) redes sociais.

Carismático e boa gente, apesar de seu "jeitão", bom papo e melhor poeta, João acabou por incorporar-se como personagem ao cenário de sua terra. O banco da praça Getúlio Vargas, que ele tanto frequentou, conversando, debatendo, compondo ou declamando poesias, sob a inspiração de pássaros e árvores, acabou ganhando o seu nome "Banco do Poeta João Carlos Côrtes Teixeira (e acordo com a lei municipal 3241/2003), localizado em frente à rua Ernesto Brasílio/antigo Fórum Julio Vieira Zamith, onde era seu 'point' junto com a famosa "Turma do Galeria Bar".

Não haveria melhor lugar para eternizar o poeta que foi jurista - numa praça, em frente ao antigo Palácio da Justiça.

O Poeta João viveu pouco mais de meio século, mas intensamente. De tradicional família de educadores friburguenses, nasceu no dia do padroeiro São João, e faleceu no dia de outro Santo, em 20 de janeiro de 2001, de São Sebastião.
João está dormindo.
"Acordai, João"!
Fica dormindo, João
Não acorda, não!!!

AMIGOS DO POETA João, liderados por Belkiss Lopes e por Maurício Borhrer, com as participações de entidades, a exemplo da REAL BANDA EUTERPE FRIBURGUENSE, GAMA - Grupo de Arte Movimento e Ação, União Brasileia de Trovadores - seção Nova Friburgo; Academia Friburguense de Letras (AFL) e Colégio Modelo vão homenageá-lo com a inauguração de uma placa, no banco da Praça Getúlio Vargas que recebe o seu nome.

A iniciativa dá sequência a um programa que já vinha sendo realizado pelo GAMA e Banda Euterpe, além de outras entidades parceiras, com a instalação de placas referenciais em residências e afins, cujos moradores ou frequentadores foram personagens importantes da história friburguense.

2 comentários:

  1. Saudades do João!!!!!Ele fazia parte da Roda de Poesia das terças- feiras na Livraria Simões, organizada pela Graça Simões. Todas as semanas nos reuníamos, vários poetas e amantes da poesia para ler autores famosos e poemas nossos. Não me esqueço! João adorava ler o texto de Manuel Bandeira "Tragédia brasileira" e este poema:
    IRENE NO CÉU
    Irene preta
    Irene boa
    Irene sempre de bom humor.
    Imagino Irene entrando no céu:
    — Licença, meu branco!
    E São Pedro bonachão:
    — Entra, Irene. Você não precisa pedir licença.
    © MANUEL BANDEIRA
    In Libertinagem, 1930

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, George pelo apoio. Em nome da Família e em nome dos amigos do homenageado, um forte abraço.

    ResponderExcluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.