Vai, mas deixe o último sorriso


Ainda tenho gravado no meu subconsciente o último sorriso que você meio calada mostrou para mim, com o mesmo acanhamento de sempre, com a mesma generosidade explicita em forma de um adeus abrupto, triste, mas sempre verdadeiro. Não sei se um dia verei novamente entre seus dentes aquela língua saindo para mostrar aquela “malandragem”de menina-mulher, quando você fazia as suas peripécias, eu bem ingênuo caia, ah meu bem como eu adorava viver aquele carma, aquele dilema de esconde-esconde, que brincávamos em dias chuvosos em nosso apartamento que parecia uma foto 3x4, pequeno, singelo, mas que nos amávamos super bem, e dávamos muitas risadas que até os vizinhos se espantavam.

Faz o seguinte se quiser ir, não vou lhe interromper, tão pouco fazer caso, pode ir, mas deixe o último sorriso perdido em meio aos móveis que compramos para mobiliar a casa do nosso sonho. Um dia desses me peguei a pensa, e lembre, vagarosamente tomou a minha massa cinzenta, uma parte de nós dois, desses dois anos de relacionamento, a nossa primeira vez, encabulados, envergonhados, você pedindo para desligar a luz e a escuridão tomou todo o quarto, nos amamos e entregamos como dois apaixonados, quando ligamos a luz, você já havia perdido o medo e a vergonha, e o sorriso tomou o seu rosto lindo, delicado e com toda a doçura do mundo falou para mim, vou preparar o café da manhã, eu disse ok, você preparou tudo lindo, com uma rosa que colheu no jardim do vizinho, enfeitou a mesa, tomamos um super café junto e a partir daí quis dividir não só uma xícara de café mais sim a minha vida.

Você receosa dizia, será que não estamos indo rápido de mais, meu bem, você nem imaginava que naquele momento aquela sensação de borboletas no estômago já havia tomado conta de mim, mas concordei, resolvemos esperar um pouco, dois dias, foi o tempo suficiente, criei coragem e te pedi em namoro, foi o melhor momento da minha vida. Nesses dois anos que se passaram recebi muitos sorrisos seus retribui vários também, mas um novo sempre cai bem, então.


Antes de ir trabalhar deixe o sorriso, tenha um bom dia, cuide-se meu amor.

Luís Fernando, escritor, jornalista, 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.