Prorrogada: Sergio Gonçalves Galeria apresenta exposição com obras de Eduardo Ventura


Individual “Rio de Janeiro - Paisagens Improváveis” fica em cartaz até 7 de maio

A Sergio Gonçalves Galeria adiou o encerramento da exposição “Rio de Janeiro - Paisagens Improváveis” do artista Eduardo Ventura para o dia 7 de maio. A individual - que tem entrada franca - está em cartaz de terça a sexta, das 11h às 19h e sábado das 11h às 18h. A galeria fica na Rua do Rosário, nº 38.

Ventura constrói com gestos rápidos um inventário pictórico de “Paisagens improváveis”, na contramão das sedutoras cenas turísticas do Rio, sugerindo antes mesmo do deleite estético, uma reflexão ou um momento de silêncio. Na série, a Cidade Maravilhosa se apresenta vazia, com a possibilidade de preenchimento poético/narrativo. O formigueiro humano é substituído por tímidos veículos que parecem circular sem condutores.


A  Crítica de arte e curadora independente, Renata Gesomino, assina o texto da mostra. De acordo com a Prof. Dra. Do Departamento de História e Teoria da arte e do Departamento de Ensino da Arte e Cultura Popular do IART-UERJ, “As imagens sugerem uma imobilidade meditativa. Há um delicado sentido de solidão que invade a artificialidade esquálida dos conjuntos arquitetônicos. Os verdadeiros protagonistas são as ruas, as ladeiras, as avenidas, os elevados, os viadutos, as travessas e as travessias com suas almas acinzentadas. Estes também são alguns dos improváveis caminhos e improváveis paisagens que Ventura ressignifica ao possibilitar a construção de novas narrativas visuais utilizando como materialidade a tinta acrílica, e, manipulando agilmente diversos tipos de espátulas que criam surpreendentes linhas e profundidade, além de um contraste harmonioso e suave, entre as inúmeras camadas sobrepostas de luz e sombra, dispensando o uso de pincéis”, enumera.


Para compor as telas o artista utilizou ferramentas como o Google Maps para investigar inúmeras ruas e bairros de acesso mais desconhecido, selecionando ângulos, luminosidade, atmosfera, etc., como nas telas “Rua Ipojuca, Penha”, “Rua do jogo da Bola, Saúde”, “Ladeira do Barroso, Gamboa”, “Rua Waldemar Dutra, Santo Cristo”, “Rua Bela, São Cristóvão”, ou em trechos capturados de grandes vias como na tela “Av. Brasil, Manguinhos”, “Linha vermelha, São Cristóvão” e “Travessa Silva Baião, Santo Cristo”, sugerindo de forma sutil um caráter intrínseco e histórico, por vezes, soturno da alma das ruas do Rio.

Renata conclui que em “tempos de (des)(re)construção da cidade que se remodela, reafirma e desfaz, mutante ensimesmada, as paisagens improváveis de Ventura nos conduzem rumo a uma peregrinação imaginária dos sentidos. O caminhar subjetivo ao longo da paisagem pictórica ofertada, como nas paisagens impressionistas e pós-impressionistas, é feito de soslaio, num golpe rápido da visão que acompanha o gesto rápido e preciso do artista. A alma das ruas, e o sentido poético oculto das paisagens improváveis se prolongam na memória reinventando cenários e narrativas. O caminho se faz caminhando com os olhos”, afirma Gesomino no texto da exposição.

SERVIÇO

Exposição: Rio de Janeiro - Paisagens Improváveis, de Eduardo Ventura
Local: Sergio Gonçalves Galeria
Endereço: Rua do Rosário, 38 – Centro
Telefone: (21) 2263-7353
Encerramento: 7 de maio
Horário: de terça a sexta, das 11h às 19h e sábados das 11h às 18h
Gratuito

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.