Resenha: Violeta velha e outras flores


A arte é mesmo extensa, densa, complexa, plurissignificativa... se não fosse por ela, o mundo seria um caos maior do que já é. A arte retrata a civilização, serve como válvula de escape para seus produtores e admiradores. Ah, a arte...

Matheus Arcaro a conhece bem! É filósofo, pós-graduado em história da arte, artista plástico, poeta, contista, romancista... todas as áreas exercidas com extremo profissionalismo e qualidade. Matheus fala através das artes que produz.

Violeta velha e outras flores já nos deixa intrigados pelo próprio título, metáfora lindíssima e muito bem pensada, por sinal. A intenção do autor, ao assim intitular a obra, foi a de que violeta é uma planta sensível e bela, mas por pequenas coisas pode vir a murchar, e velha, não necessariamente se refere à idade ou velhice. Transpondo isso à vida, violeta seria as pessoas, a existência, enquanto velha, são as manhas adquiridas ao longo dos anos, a bagagem das possíveis trapaças que a vida pode dar.

O livro é um jardim ilhado por belas rosas, entre a camuflagem dos espinhos e dos bichos-de-pé. É planta carnívora que lhe devora a Alma. Comprovamos tais premissas após o término do primeiro conto, o qual nos remete tanto a um conceito filosófico de Platão sobre o Amor; não só nesta parte específica da obra, mas ao decorrer das páginas, quanto de Aristóteles. O amor mencionado aqui, não é referente à temática do conto, mas sim, à relação leitor-obra.

Amor para Platão é denominado de Eros e significa desejo pelo que falta e pelo que se quer. No caso de nós, leitores, é o prazer da degustação de um bom livro, a busca por quem somos e tantas outras tampas para nossas panelas. Já para Aristóteles denomina-se Philia e significa alegria pelo que se tem e enquanto se tem. Nesse sentido, em poucos instantes após o início da leitura, desejamos interrompê-la, pois não queremos que ela se finde e nos tire do estado de torpor, não queremos cortar a excitação da leitura, e para que isso não ocorra, o correto seria se ler um parágrafo por dia, mas há algo mais forte... em um piscar de olhos, devoramos o livro.
 
Violeta é também manual implícito de termos literários e de técnicas narrativas; sobretudo, metáforas, catarse e epifania para o primeiro termo e, discurso indireto e indireto livre, fluxo de consciência, para o segundo.

Ler Matheus Arcaro causou-me os mesmos sentimentos e questionamentos que me causam Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles, notadamente a catarse e a epifania.

A forma com que o autor conta seus contos nos permite uma construção imagética perfeita; deixa-nos com dúvidas várias e inquietantes, pairando no ar.

Quem o ler, com certeza, não será o mesmo e ficará com água na boca à espera do próximo título, que, aliás, já saiu do forno. Porém, certamente é um livro muito mais denso, afinal trata-se de um romance.

Não perca tempo, corra para adquirir seu exemplar e comece a ler, mas prepare-se para muitas lágrimas e incômodos, pois os livros irão lhe virar do avesso e lhe centrifugar.
 

Guilherme Mapelli Venturi
gm.venturi6@hotmail.com

Guilherme Mapelli Venturi é estudante de letras, escritor, revisor, diagramador e técnico em informática, residente em Ribeirão Preto – SP. Ganhou o prêmio do concurso literário do Clube de Regatas com poesia em primeiro lugar e conto em segundo, certificado de participação do concurso literário da Casa do Poeta. Participou das Antologias Ponto & Vírgula – 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª edições, como do programa de mesmo nome com poemas de sua autoria, declamados pela apresentadora Irene Coimbra. É autor do livro “Devaneios Poéticos” pela editora Legis Summa. Está trabalhando em seu segundo título.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.