O Corpo na Educação - uma proposta de sensibilização



 “Tudo é uma questão de manter a espinha ereta, a mente aberta e o coração tranqüilo”

O curso “O Corpo na Educação - uma proposta de sensibilização” propõe uma reflexão sobre a relação adulto X criança no processo de ensino aprendizagem.  A proposta visa a importância do vínculo do educador/aluno como um caminho possível no desenvolvimento infantil (afetivo, cognitivo, motor e social), valorizando a ludicidade, a corporeidade  e a conquista  da autonomia. 
             
O curso terá início em 16 de abril, no Espaço Psiquê (Travessa  São João – Centro / Nova Friburgo), e será mensal, com duração de quatro horas a cada encontro, dividido por módulos, totalizando seis encontros: Módulo 1 e 2 - O Brincar / Despertando a criança interna; Módulo 3 e 4 - A Expressividade/ Ser criativo; e Módulo 5 e 6 - A Sensibilidade /Self. Ao final do curso será realizado um worshop para os participantes, com a presença de profissionais convidados.

“O Corpo na Educação - uma proposta de sensibilização” tem como público alvo profissionais e estudantes das áreas de educação, psicologia, psicomotricidade e saúde, pais e mães, consultores e pessoas que estejam interessadas em seu desenvolvimento pessoal e na prática educativa.

Metodologia

O curso será realizado de forma teórica e vivencial, com exercícios práticos, trabalhos corporais, técnicas de massagem, dramatizações, exibições de filmes e rodas de conversa. Serão trabalhadas as ideias de Paulo Freire, José Pacheco, Walter Benjamim, Winnicott,  Fayga Ostrower, Lapierre, Piaget, Aucouturier, Leboyer, Vygostky, Graciela Figueroa,  Instituto Rio Abierto, entre outros.

Orientação

O curso será ministrado por Carla Strachmann, formada em Pedagogia com especialização em Psicomotricidade; instrutora de movimento pelo Instituto Rio Abierto/Buenos Aires – Brasil, de 1989 a 2002; participou do Grupo Coringa /RJ dirigido pela bailarina e coreógrafa Graciela Figueroa, como instrutora de movimento para crianças, educadores e gestantes. Em seu consultório particular utiliza técnicas de massagem integrativa e de consciência corporal, desenvolvidas pelo sistema de trabalho do Rio Abierto.

Carla é também idealizadora e coordenadora da Associação Cultural e Ponto de Cultura  ECOAR Educando com arte, fundada em 1998. Atualmente está coordenando a residência artística (com início em 2013) do Ponto de Cultura ECOAR “Poéticas Invisíveis”, que visa a construção de poéticas a partir da experiência da loucura, envolvendo toda a rede de saúde mental, artistas que atuam com dança contemporânea e performance, estudantes de dança/teatro, alunos da UFRJ e comunidade do entorno.

Informações sobre investimento, inscrições e detalhes sobre os módulos podem ser obtidas com Carla Strachmann pelo telefone (whatsapp) 21-998183858 ( Carla) ou Maíra 22-99858-8870, e ainda no link http://culturanf.com.br/noticias/2016/03/29/o-corpo-na-educacao/.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.