Não quero apenas uma xícara de café, quero um milhão.


Sabe aquele ditado que as pessoas não se contentam com pouco, pois é meu bem, eu sou assim, não quero você para uma noite, não quero você para um instante, quero você para todo o instante da minha vida, para as alegrias, as tristezas, com você eu quero dividir todo o café, todo o amor, todo o brigadeiro, ah, ta certo você não gosta muito de brigadeiro, mas sei que você gosta de cafuné, viu como eu conheço você.

Deixa de besteira e vem aqui, vou te envolver nos meus braços, esqueça os medos, as inseguranças do passado, elas te assombram ainda né? Eu sei, mas deixa eu te falar, as minhas também, mas eu sei que tenho muito a contribuir para te ajudar a superarar isso, e sei que você pode me ajudar também, topas? Quero te aquecer com o mínimo de calor que tenho no meu corpo, quero afogar você em meus beijos, e ao mesmo tempo te socorrer e te salvar com minha respiração. Vamos esquecer as formalidades, nunca fomos bons com isso, falo por mim, mas quero te provar que posso te fazer feliz.


Não tiro você da minha cabeça, nossas conversas no WhatsApp, reviro, mexo, procuro a primeira palavra que disse a você, e consequentemente vejo também o que você disse para mim, nossa, eu  disse já no primeiro momento que me encantei pelo seus olhos, e que era alérgico a camarão, sem ao menos experimentar e você me contando que não conseguia comer abacate com açúcar, que achava meio estranho aquela combinação, eu disse então corto o abacate da fruteira, e você corta o camarão da geladeira, nossa, rimos bastante daquele momento, lembra? Naquele momento percebi que poderia rolar algo entre nós, quem sabe besteira da minha cabeça, você menina madura, inteligente, perspicaz, mas uma vez ouvi uma frase que era mais ou menos assim: “Nunca tenha medo de algo novo, lembre-se, amadores construíram a Arca e grandes profissionais o Titanic” . Pois bem, minha amada estou aqui para te convidar para tomar uma xícara de café, a primeira de um milhão que iremos beber juntos, aceita? 

Luís Fernando, escritor, criador do blog Papo a 2, amante da junção das letras em forma de amor. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.