George dos Santos Pacheco toma posse na Academia Friburguense de Letras

Nesta sexta-feira, 15, às 19h, o escritor George dos Santos Pacheco tomou posse na Academia Friburguense de Letras (AFL), em cerimônia liderada pelo presidente Robério Canto, compondo também a mesa, os acadêmicos Paulo Jordão Bastos, Alberto Wermelinger, Tereza Malcher e o Capitão Tenente Alessandro, representando o Sanatório Naval de Nova Friburgo. Estiveram presentes na cerimônia, os acadêmicos José El-Jaick, Leyla Alves Lopes Silva Mello, além de familiares e amigos do escritor, convidados e representantes de diversas entidades de Nova Friburgo.
 



 

 
  

O presidente iniciou a cerimônia pedindo um minuto de silêncio em respeito ao falecimento do acadêmico Aécio Alves da Costa, em 29 de março. Após isso, a ata foi lida por Tereza Malcher e o novel acadêmico foi saudado por Alberto Wermelinger. George apresentou em seguida seu discurso, em que homenageou o patrono da cadeira número 38, Sylvio Romero, e seu ocupante anterior, o advogado e professor Manoel Joaquim Falcão. O acadêmico lembrou também Aécio Alves da Costa, fazendo um breve trajeto sobre a biografia do professor e escritor, e recitando seu poema "Vida".
 
 
 
 
 

 

 

 

 
George é autor do Clube de Autores, e tem textos publicados em diversos sites, tendo sido premiado em 1º lugar, na categoria crônica, e em 2º lugar, na categoria conto, no 1º Concurso Literário da Câmara Municipal de Nova Friburgo, Troféu Affonso Romano de Sant’anna. Em 2014, teve seu conto “A Dama da Noite” adaptado para um curta metragem homônimo; o filme foi exibido na II Festa Literária da Serra (FLITS) em Bom Jardim-RJ e em uma sessão exclusiva em uma sala de cinema, além de compor a programação do canal CineBrasil Tv. As filmagens aconteceram em Nova Friburgo, com uma equipe formada na própria cidade e a produção tem servido como portfólio para a implementação do pólo audiovisual.
 




 
 

Em 2015, publicou o conto “Tarde demais para Suzanne” na antologia Buriti 100, e o romance “Uma Aventura Perigosa”, além de ser premiado em 3º lugar, na categoria Prosa, com o conto “O Dono do Bar”, no I Concurso de Prosa e Poesia de Bom Jardim – RJ. É também autor de “O fantasma do Mare Dei” (2010) e “Sete – Contos Capitais (2015),“Tarde demais para Suzanne” (2016) e o infantil “As aventuras de Frog, o ratinho” (2016).
















 
Após a cerimônia foi servido coquetel no salão da academia, tendo sido uma cerimônia leve e descontraída.
 
*Publicado originalmente no blog da Academia Friburguense de Letras em 17 de abril de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.