Café Literário: Conto para Dormir

https://autoressocontos.wordpress.com/2012/05/07/a-ruiva-acesa/#more-86
Era uma vez uma moça chamada Lili que eu comi...
Eu chamo-me Gui e sou um javali de boas famílias, pelo menos até aparecer uma bruxa. Ela me obrigou a ir atrás daquela linda e fofa menina que conheci em novo e, que o destino quis afastar de mim, enquanto eu podia ser seu amigo. Agora que estava do lado do mal, tinha de a achar para saciar a minha fome.
Ia a passear pela rua... quando me apareceu aquela visão do outro mundo. Nunca tinha visto igual... cabelos lisos ruivos como fogo, que iam até seus seios, melhor que a lady godiva. Pareceu olhar na minha direção com aquele olhar esverdeado, sedutor e meigo... Não sei como consegui ver a cor de seus olhos àquela distancia, mas a verdade é que devia ser um dom meu... Achei estranho nunca ter notado antes que conseguia ver tão bem, mesmo estando afastado do objeto do meu interesse.
Afinal, ela não me devia ter visto... olhou só por olhar.
Alguém me tocou no ombro direito... fiz mal em virar para trás, pois, além de não ver lá ninguém, quando me voltei para ela fiquei desiludido, no seu lugar encontrava-se uma garota feia como a noite. Ui... esqueçam o que eu disse... estou a criticar destrutivamente a noite... Até porque, estas, podem ser bem deslumbrantes.
A menina era tão feia que metia medo ao próprio susto. Quando seu olhar cruzou com o meu quase que congelava, ainda bem que consegui ter o discernimento de fugir dali antes que ela se aproximasse de mim.
Vivi quase 10 anos com esperança de reencontrar aquela bela moça... Nem ao menos sabia seu nome... Não sei bem porquê, mas sentia uma necessidade inevitável de a rever.
Até que, numa linda manhã fui à floresta e me deparei com ela. Sem saber o que fazer, cheguei o mais perto possível. Virou-se na minha direção como se já estivesse à minha espera e ficou imóvel, só ouvi o seu respirar.
Aquela deusa levantou-se, pegou na minha mão e disse docemente:
- Ela conseguiu que alguém fizesse o seu serviço... estou pronta!
Colocou o seu pescoço perto de minha boca e aguardou a minha reação. O meu impeto foi o de saltar para cima dela, mas não o fiz.
- Ela, quem? Não sei do que está a falar... - disse, afastando-me e largando sua mão, com receio de fazer algo de que me viesse a arrepender.
De repente e sem nos apercebermos aquela criatura horrorosa apareceu de novo, dizendo, ou melhor, gritando:
- O que se passa aqui? Porque ela ainda está viva? - olhou para mim e ordenou com um olhar hipnotizador - Faz alguns anos atrás, mandei que fizesses uma coisa. Continuo à espera. - desviou seu olhar do meu e apontou para a outra.
- Continuas a querer a minha morte, mana? - disse aquele anjo.
Se aproximou de novo de mim e disse:
- Faz o que a minha irmã te ordenou o quanto antes, por favor! Se não o fizeres aquela bruxa é bem capaz de te fazer mal. Não quero que mais ninguém sofra por minha causa.
- Lili, sempre boazinha. - disse aquela personagem horrível com escárnio - Até me enjoa. Sempre foste a mais querida por todos... eu era apelidada de diabo e tu de santa. E não me chames de irmã. - olhou de novo para onde eu estava e continuou. - Acaba lá o serviço! Não tenho o tempo todo para esperar.
Quando levantou um dos braços e, antes que me obrigasse a algo, Lili veio à minha beira... ao ver aquela beldade olhando para mim de maneira tão penetrante, engoli em seco e tomei coragem. Saltei para cima da má e fiz com que desaparecesse da face da terra. Como ela não estava à espera daquilo, nem reagiu.
Sua irmã, sorriu para mim e me beijou.
Susana Silva
O meu nome é Susana Silva, tenho 43 anos. Sou uma portuguesa que ama leitura, nas minhas andanças na Internet, em 2014, onde tinha o intuito de procurar livros diferentes dos normais, daqueles que estava habituada a ler, encontrei muitos links para livros brasileiros, o que me despertou o interesse. Iniciei a investigação de criticas, sinopses, resenhas e resolvi comprar um deles para conhecer a vossa literatura, procurei o nome da autora brasileira a ver se tinha facebook e entrei em contacto com ela para combinar a melhor maneira e se havia de receber o seu livro… a partir daí comprei alguns dessa maneira e adoro os livros, têm muita imaginação e alguns até são melhores que os autores estrangeiros mais conhecidos. 
No final do ano de 2014 recebi o convite da autora do primeiro livro brasileiro que tive para ser leitora beta de futuros projetos dela, isso deveu-se ao fato de ter gostado da resenha que fiz do seu livro. Houve 3 ou 4 autoras brasileiras que me convenceram a tentar o mundo da escrita,e um autor enviou um link para eu tentar concorrer, era acerca de um conto inspirado em contos infantis, mas reinventado pelo autor, infelizmente, quando perguntei se podia concorrer, não fui aceite por residir fora do Brasil…. Mas resolvi escrevê-lo na mesma. O Javali é como se fosse o Lobo Mau. Sou Técnica de Computadores, leitora assídua, leitora beta de vários autores brasileiros, esposa, mulher, mãe e artesã. Sou a Mulher dos sete ofícios… a tentar enveredar pelo mundo da escrita…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.