Uma boa lembrança





Em meados dos ano 2000 colocamos FIM em algo Que Pensamos Que Nunca Acabar Iria, Bem pois, Acabou, Acabou de Uma forma entendermos SEM, rápido Você ficou sem entendre, Muito Menos eu, mas naquele momento procuramos NEM entendre E MUITO Menos PEDIR explicação, Acredito Que naquele momento Nosso Relacionamento Já tinha ido por agua Abaixo, or Até Um Pouco Antes, Entre brigas e desentendimentos, nos dávamos Muito Bem, reconciliações faziam parte do Nosso cotidiano DEPOIS de Um certo tempo, e NÓS naquele chove NÃO molha, Não saímos Daquele NÓS Embaraçado, Nem sempre Toda a arvore da fruta boa, ELA Precisa Ser Regada, e ter amor por Quem cuida, par dar hum fruto de boa Qualidade, Acredito Que em Nossas Vidas, faltou Água em Nossa jardinagem do amor, pensávamos Muito individualmente e esquecemos that para Vencer precisamos nsa dar como Mãos, em vez Disso largamos, pois E, quem sabe um Dia rápido Você leia ISSO, mas SABE, Hoje Consigo me acostumar com a SUA Presença em minha vida, sem Sentir hum frio na barriga daqueles que Sentia QUANDO terminamos, Hoje Consigo Sentir Uma Boa Lembrança.
A forma Como nsa tratávamos era Como Jorge Amado tratava Zélia Gathai, a Única Diferença Que 



AINDA NÃO tínhamos o cachorro that Jorge tanto Gostava e Fazia Questão Que um Zélia acaricia-se ELE. Por vezes me Culpo POR falta de romantismo, mas Acho Que Nunca foi fazer meu feitil Ser Dessa forma, mas MUITAS vezes observava rápido Você dormir, rápido Você acordava assustada pensando Que havia acontecido algo, eu acalmava rápido Você dizendo, "Não Aconteceu nada, Estou olhando Pará o Seu Rosto "Você respondia:" Seu bobo ". Sim, bobo em certos momentos, Mais Um bobo diferente, bobo cabelo Espelho dos SEUS Olhos. Volta e meia eu arriscava hum cartãozinho, Uma buque, Por Mais que NÃO fosse fazer meu POUCO romantismo, mas era hum romantismo Verdadeiro. Pois é, sempre Dizia Pará rápido Você Que hum dos Meus MAIORES medos era Ficar Sozinho nessa vida, SABE Que Esse medo Passou, pois Hoje Consigo Sair, amigos fiz Novos, conheci Tantos Lugares, aqueles Lugares Que havíamos planejado Aquela Viagem romântica that rápido Você sempre Quis Fazer. Mas aposto that Você está em Muito Bem, Feitos TAMBÉM DEVE Ter Novos amigos, vivido Mais, quem sabe tenha viajado, encontrou Um Novo Alguém. Hoje Consigo discernir O Que foi fazer Que É Hoje, quebramos um MUITAS Cara vezes, mas nao tenho medo Disso, pois o Rosto ideal IRA se encaixar na cara Minha. Hoje Consigo Levar um Sorriso leve e solto,  ea Lembrança eStara rodeando uma mesa Onde estarei Sentado, APENAS NÃO deixarei Sentar Ao Meu Lado, pois ELA eStara APENAS sem meu subconsciente e NÃO terá lugar para Fazer morada em Meu Coração. 

Luís Fernando Drecksler, escritor, jornalista, amante de um café e letras. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.