Lançamento de Livros: Devaneios Necessários

se divertiu
ao ver
tanta gente
divergente


Devaneios Necessários é o primeiro livro de Nathan Itaborahy, projeto contemplado pela Lei Murilo Mendes, Lei de Incentivo à Cultura de Juiz de Fora (MG). O livro é um registro do processo de descoberta da poesia na vida do escritor, que nele parece tatear as possibilidades da palavra. "Isso aqui é obra do descompromisso" diz Nathan. É, portanto, um rito de iniciação, tentativa, disposição; liminaridade. É a arte como possibilidade de reinvenção do artista; como (auto) intervenção.

O texto é marcado pela sonoridade/musicalidade da palavra, evidentes no capítulo Percussiva-Palavra, e pela presença dos lampejos, poemas curtos e espontâneos sugeridos na correria dos dias. Os lampejos são como pausas no furacão; fotografias da ideia que o momento fornece; sopros.

A proposta do autor é evidenciar a poesia como uma disposição do olhar, como possibilidade concreta e democrática de registro das utopias, revoltas e belezas que assaltam as ideias rotineiramente. É com essa intenção que o livro traz, logo em seu início, o bloco Devaneio seu, espaço-convite para que o leitor também faça seus lampejos.

Devaneios Necessários. Funalfa Edições, 2015. 77p.

Sobre o livro Devaneios Necessários: “A leveza do pensamento livre” / “O que soa simples ressoa vigoroso” – Mauro Morais – crítica publicada no jornal Tribuna de Minas em 16/12/15.

Sobre o autor

De família de músicos por parte de pai e mãe, Nathan Itaborahy, este jovem de 27 anos tem se envolvido com a arte desde menino, quando aos nove ganhou sua primeira bateria. Antes já batucava no que dava. Estudou um pouco de bateria, violão e flauta, mas sempre acreditou na música como intuição. Desde os quinze anos trabalha como músico na noite de Minas Gerais, como baterista e percurssionista.

Formado em Geografia pela UFJF e mestre na mesma área pela UFMG. Trabalha com pesquisa e extensão em Agroecologia.

Nos últimos tempos tem dado mais ouvido às vozes internas, que cismam de vir ao mundo em forma canção, poema ou prosa. Em 2015 lançou seu primeiro livro de poesia – “Devaneios Necessários” –, contemplado pela Lei Murilo Mendes (Juiz de Fora – MG). Aprendeu a viver na estrada, como operário da arte e da Agroecologia.

Devaneios
Necessários é um lançamento da Editora Funalfa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.