Os quinze melhores livros de 2015

A Revista Pacheco elencou os quinze melhores livros na opinião da publicação eletrônica, que seguem listados abaixo, com sinopse e link. Aproveite as férias, escolha um livro - ou todos! - e se divirta!

Boas leituras!

 

Os Filhos dos Imortais: A Herança do Novo Mundo 


No começo, havia apenas um imortal. Depois, surgiram Galran, Meragorn, e Vociferat. Com o passar dos anos, Morom, o primeiro imortal, começou a sentir inveja de seus irmãos. A maldade de Morom colocou irmão contra irmão. Isso acarretou em um acontecimento que seria lembrado por todos como A Grande Guerra. Com o fim da guerra, e séculos após a batalha dos quatro reinos, o mundo gozava de uma paz superna. No entanto, um novo mal se revela, agora, cabe aos filhos da descendências dos imortais encontrar Born, um dragão que foi de vital importância na batalha final. Para ajudá-los a encontrar o dragão que era capaz de controlar os elementos da natureza, os novos reis terão a ajuda de Aldoran, um bom homem que vive na companhia de seu grifo. No decorrer da jornada, novos amigos, assim como inimigos, vão aparecendo. Embarque nesta incrível aventura com Cajado Reluzente (Aldoran) e os seus novos amigos.
 
Os Filhos dos Imortais: A Herança do Novo Mundo é um lançamento da Amazon

 

Acervo de Palavras

 
Quantos sentimentos, desejos e pensamentos cabem em uma palavra? Vidas se entrelaçam e se ­findam por conta de palavras. Palavra: aquela bendita, maldita, avessa, travessa, reprimida, arrependida, inesperada. Não importa como seja: pode ser dita, escrita, roubada, criptografada, cobrada, a­fiada, desde que seja proferida alguma palavra. Há quem a use com moderação e os que abusam de sua imensidão. No emaranhado sígnico, somente a poesia capta e traduz em tantas possibilidades as mesmas palavras!

Acervo de Palavras é um lançamento da Editora Autografia

 

Juízo


O romance “Juízo” retrata a luta pela autoafi rmação. Do querer mais do que um poder, de sonhos, de ideais; sejam corrompidos ou não. Juízo, expressão de complexa imaginação e interpretação. De profundidade inesgotável... Até onde iria por um sonho? Até onde iria seu Juízo?

Juízo é um lançamento da Editora Autografia

 

Alice Black - Princesinha do Inferno


Alice é roadie da Mell's Angels, uma banda de rock iniciante, cuja estrela é sua irmã mais velha. Humilhada constantemente pelos integrantes, sua situação piora quando descobre que eles venderam sua alma em troca de sucesso imediato. Lançada no submundo, enquanto a banda desponta para o estrelato, Alice inicia uma louca jornada através dos perigos, descobertas, desafios, e - por que não? – encantos de um inferno totalmente rock and roll, governado por um Príncipe das Trevas que talvez nem seja tão terrível assim...

Alice Black é um lançamento da Editora Autografia


Em mãos 
 
 
“Jorge Luís Borges via a poesia não como um dom intrínseco ao poeta, mas como um fenômeno da natureza, componente indissociável da realidade, “que pode saltar sobre nós a qualquer instante”. Pois bem: saltou sobre Rachel Rabello, que, neste “Em Mãos”, apresenta o que disso resultou – poesia em estado de arte.

O poeta, em síntese, é alguém possuído por uma força que lhe é extrínseca, mas não estranha, nem muito menos adversa. Uma força que o escolhe (ou o sentencia) para expressá-la.

Não necessariamente uma força arrebatadora, convulsiva, que inspira epopeias e ditirambos. A mais poderosa delas é justamente a força da delicadeza, que toca sensibilidades em mais fina sintonia com as manifestações líricas da natureza.

A poesia de Rachel insere-se nessa categoria. É fina, suave, sem que se comprometa o vigor de seu verbo, de sua sintaxe, que jamais incidem no imperdoável delito da banalidade."


Em mãos é um lançamento da Editora Oito e Meio

Café sobre tela



Em Serra Vermelha, naquele ano, ocorreu um evento incomum: homem e terra tornaram-se um só. Do terreno fértil, nasceu o fruto; do alimento, seu saudável desenvolvimento. Primeiro, foi necessário cuidar; e a plantação sempre precede a colheita. Café e amor confundiam-se, naqueles montes verdes. Tanto em um, quanto em outro, seu gosto haveria de ser pessoal. Uns provariam puro; outros, o adoçariam. Às vezes, amargaria e, às vezes, acordaria. Haveria quem o provaria e desgostaria; e quem jamais teria vontade de provar. Haveria, ainda, os que morreriam sem jamais ter ouvido falar e os que, de tanto embebedar-se, viciar-se-iam. 

Café sobre tela é um lançamento da Chiado Editora

 

A Espada Negra


 
“O Poder da Espada reside no coração do Homem” 

No reino da Espanha, a Santa Inquisição persegue os inimigos da Igreja. No meio deste cenário obscuro, eis que surge William Norton, um homem pacífico que se transformará num guerreiro impiedoso. A maioria dos humanos possui um instinto animalesco e que beira a completa insanidade. Uma fera que deve ser controlada a todo o instante. No caso de William Norton, não haverá grilhões que possam conter o monstro devorador que nascerá de suas entranhas...

A Espada Negra é um lançamento da Editora Autografia

Azules



Publicado em São Paulo pela Editora Benfazeja, trata-se de um livro de poemas em português e espanhol, sendo a décima quarta publicação de Cristiane Grando. A obra é dividida em quatro partes (Châtres: poética da paisagem, As Musas, Genesis e Azules) e versa sobre locais, fotos, sensações, cotidiano, memórias. Châtres é uma pequena cidade francesa que, na alma da autora, é lavada pela chuva de Cerquilho, sua cidade natal localizada no interior de São Paulo. Em As Musas há reflexões doces sobre a sensibilidade e criação artística. A imagética Genesis expõe alguns poemas inspirados em fotos de Sebastião Salgado e de outros fotógrafos, e transita do Pantanal a Galápagos. Fechando o livro, Azules é um prisma que reinventa o significado das cores incidentes na poesia.

 
Azules é um lançamento da Editora Benfazeja

 
O Monstro e Seus Vazios



Estreia do autor, o livro busca uma poética na qual “a fumaça contorna as ruínas do homem/névoa/entranhas/seu resto de civilização” e explora a tradição de literatura introspectiva em que nas personagens ainda ecoam a pergunta deixada por Clarice Lispector: sou um monstro ou isto é ser uma pessoa? Cada poema é uma viagem interior, ora acompanhada por quem foi, ora por quem não é, por quem gostaria de ser, por musas inventadas. O livro reúne uma equilibrada mistura da força imagética do surrealismo e dos haicais com a influência de teorias psicanalíticas de Freud e Lacan. Morgana Rech, mestre em Teoria da Literatura e doutoranda em Teoria Psicanalítica, afirma no prefácio: “diante de uma poesia desta complexidade, onde o autor é ‘tão bruto quanto um caçador de borboletas’, a fragmentação do eu é delicada, mas estrondosa”.

O Monstro e seus vazios é um lançamento da Editora Benfazeja

 

Na Linha da Loucura


A leitura de “Na Linha da Loucura” constitui uma caixa de surpresas. É que a novela de Cristian Luís Hruschka, no aspecto formal, revela um escritor feito e que domina seu instrumento de trabalho sem incidir nos notórios defeitos comuns aos iniciantes. Embora este seja seu livro de estreia, mostra que o autor vem se exercitando de muito tempo na difícil arte da escrita literária. A impressão que fica é a de que ele escreve com facilidade e o texto flui de maneira livre, com aquela naturalidade de quem sabe com precisão o que e como deseja dizer. O estilo é simples, límpido e direto, sem rebuscamentos desnecessários.
A história se desenrola numa sequência de surpresas.  Cada tópico contém, por assim dizer, algum imprevisto que provoca impacto no leitor e atiça sua curiosidade, prendendo-o na leitura, até o final. E nisso se revela a criatividade do autor. Os fatos reais e os imaginários se cruzam e entrecruzam, às vezes no mesmo plano, em outras bem definidos, mas sempre de maneira envolvente e sem cortes bruscos ou hiatos que possam diminuir o interesse pela narrativa. E assim transcorre a curiosa história, do começo ao fim, num texto bem construído e observando um desenvolvimento lógico até o inesperado desfecho.
 
Na Linha da Loucura é um lançamento da Editora Minarete/Legere

 

Confesse-me

 
“Estamos satisfeitos com o que somos e com o que fazemos em nossas vidas?” - Este é o tema central do livro de Hugo Ribas.

Parágrafos irônicos contam a história de Hector, um homem à beira dos 30 anos, que de um dia para o outro se vê desempregado e completamente irrealizado. Ao viver um dos maiores conflitos de sua vida até então, ele se dá conta de que abandonou o sonho antigo de ser escritor, em troca de ter uma profissão comum e respeitável, ganhar seu humilde salário e sentir-se aceito pela família, amigos e pela sociedade. Através de seus relatos sarcásticos e críticos, Hector descarrega em sua narrativa todo o seu mau humor, relembra fatos marcantes do passado e da família e, principalmente, descreve os momentos infernais que antecedem sua decisão final: escolherá, de fato, tentar a vida de escritor? Ou vai se submeter a um novo emprego qualquer e ficar de acordo com as regras da sociedade em que vive?

Hugo Ribas é o criador do Blog Versos de Argila, onde publica suas crônicas e entrevistas com escritores brasileiros. Cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima, em São Paulo, e apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Confesse-me é um lançamento da Editora Giostri

Uma Aventura Perigosa


Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. 

Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído. Uma série de coincidências atinge a vida de Max e ele descobre que nem tudo que ele sabe é verdade, e que todos tem segredos que precisam ficar escondidos a sete chaves. 

No romance ‘Uma aventura perigosa’, George dos Santos Pacheco descreve de forma audaciosa e sem pudores as aventuras sexuais do “orgulhoso, impulsivo, e machista” Max de Castro, que se envolve com diversas mulheres ao longo da trama: jovens, universitárias e prostitutas. Com toques de humor e sarcasmo, Pacheco narra a impossibilidade de sair ileso a qualquer relacionamento, garantindo grandes surpresas aos leitores.

Uma Aventura Perigosa é um lançamento da Editora Clube de Autores

Sete - Contos Capitais


No século VI o Papa Gregório instituiu os sete pecados capitais, que são os princípios que ferem a Deus, a você, e ao próximo, raízes de todas as outras falhas, motivos de condenação e perdoáveis apenas pela confissão. São eles: a Gula, que consiste em comer além do necessário e a toda hora; a Avareza, que é a cobiça de bens materiais e dinheiro; a Inveja, que significa desejar atributos, status, posse e habilidades de outra pessoa; a Ira que é a junção dos sentimentos de raiva, ódio, rancor que às vezes é incontrolável; a Soberba, que é caracterizado pela falta de humildade de uma pessoa, alguém que se acha autossuficiente; a Luxúria, que é o apego aos prazeres carnais; e a Preguiça, que é a aversão a qualquer tipo de trabalho ou esforço físico, sendo ainda caracterizado pela pessoa que vive em estado de falta de capricho, de esmero, ou de empenho. 

Neste livro, os sete pecados capitais foram ilustrados com sete contos – os contos capitais – histórias de pessoas que ultrapassaram os limites da razão no que se refere a esses desvios de conduta. Há nestas páginas um apetite insaciável; ganância; o maior ódio que uma pessoa pode ter; sensualidade; psicopatas; depressão e sangue.

Sete - Contos Capitais é um lançamento da Editora Clube de Autores

 

Big Buka


O coletivo Big Buka – Para Charles Bukowski (155 páginas), organizado pelo escritor Afobório, reúne dez contos de dez escritores brasileiros e aborda os temas que sempre permearam a obra de Bukowski: bebedeiras, mulheres, literatura, cotidiano, melancolia.

A publicação é uma homenagem da Editora Os Dez Melhores ao grande velho safado, um dos maiores escritores de todos os tempos, e também, uma ótima oportunidade para divulgar novos nomes da literatura nacional.

Autores e seus contos:

Afobório, “Os Felinos Sacam das Coisas”.
Clayton Reis, “O Conto Nunca Escrito”.
Fabio Mourão, “O Matador de Lésbicas”.
Heliton Queiroz, “Underwood Nº 5”.
Jeremias Soares, “Charlene”.
Marina de Campos,“Aquele Velho”.
Max Moreno, “Vinte Pratas”.
Rafael Simeão, “O Açougueiro Moído”.
Willian Couto, “A Vizinha Reboladeira”.
Wuldson Marcelo, “Em Noite de Rock, Eis os Três Desejos de Naomi”.

Big Buka – Para Charles Bukowski é um lançamento da Editora Os Dez Melhores.


O Pescador

Palavras pescadas do âmago da rotina, sob uma óptica poética peculiar. O autor põe em suas metáforas, uma intensidade e uma verdade que chega a transbordar, pelas páginas, uma vontade de sermos o próprio texto.

Desde os devaneios de suas paixões, passando pela saudade da terra natal, até ao contexto social político, O Pescador navega em uma poesia bruta e sutil. Paradoxo? Simetria, talvez.

Ler esta obra é se apaixonar pela simplicidade que as metáforas ainda pode nos provocar na alma. 

O Pescador é um lançamento da Chiado Editora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.