Sarapalha


Representar uma peça de teatro já escrita ou escrevê-la já para este fim é uma coisa, e de certo modo, fácil, se compararmos com espetáculos adaptados de romances, contos, crônicas ou outro gênero qualquer que não o teatro. É o que acontece com "Sarapalha", conto de João Guimarães Rosa integrante do livro Sagarana. E é aí que está o maior desafio de quem for adaptá-lo para os palcos – enquadra-se aqui toda a equipe: do figurinista ao ator – não só por transitar de um gênero para o outro, mas também pela dificultosa e pioneira linguagem Roseana.

Mas esse desafio não foi empecilho para Paulo Oliveira, pelo menos não no sentido de fazê-lo desistir de sequer tentar colocar a peça em ação. E foi o que fez com maestria, tanto que com ela ficou em cartaz por quatro anos.

Cabe aqui uma curiosidade: na segunda apresentação da peça, os atores encenaram para dois convidados ilustres da plateia, os quais fizeram o mesmo papel que aqueles por oito anos, ou seja, os personagens foram assistidos pelos próprios personagens.

Recentemente se juntou a grandes nomes da dramaturgia – infelizmente não reconhecidos com o devido valor que merecem e pela grande mídia, o que não durará por muito tempo – para realizar um projeto sonhado e engavetado por muitos anos.

Trata-se do Busão Teatral, o qual tem por principal objetivo retomar o teatro grego em seu primórdio, adaptando-o a modernidade, ou seja, proporcionar aos mais necessitados a oportunidade de frequentar tal ambiente e atividade cultural, quebrando o paradigma de que só a elite frequenta o meio.

O projeto conta com quatro peças em cartaz, dentre elas, "Sarapalha", mas agora sem a encenação de Paulo. O texto adaptado do conto é de sua autoria, por sua vez, a atuação é de Kadu Ramsés e Marcelo Vieira e a direção de Valter Navarro.

Espera-se que o espetáculo se inicie já com encenações ou com algum ator fazendo papel de narrador, nos contando o começo da história. De fato há um narrador – tanto no conto quanto na peça – mas no caso desta, ele está representado por uma gravação, ou melhor, por uma narração imagética em áudio.

Após o decorrido episódio, começam inserções extras, ou seja, detalhes que não estão no conto. O primeiro deles é o ato de Primo Ribeiro e Primo Argemiro – os protagonistas da história, apesar de não haver tal termo no gênero teatral – acordarem. O segundo o ato de Primo Argemiro passar o café. O terceiro é a presença de um vestido de noiva no cenário, o qual servirá mais adiante para Primo Ribeiro acariciá-lo, lembrando-se de seu grande amor, prima Luíza.

Daí em diante a peça segue fielmente ao conto, com a perfeita interpretação dos atores. Sobretudo nos momentos de dores e delírios advindos da Malária, mazela pela qual foram acometidos.

Ao final, bem... se você já leu o conto saberá do desfecho, se ainda não leu, vá assistir à peça para descobrir.

O espetáculo é inteiramente um misto de drama e comédia, e os atores transitam entre ambos os gêneros e momentos com maestria. O figurino, a sonoplastia, a iluminação, a adaptação, a direção, a atuação, o espetáculo de modo geral, é magnífico e imperdível.

Guilherme Mapelli
gm.venturi6@hotmail.com

Guilherme Mapelli Venturi é estudante de letras, escritor, revisor, diagramador e técnico em informática, residente em Ribeirão Preto – SP. Ganhou o prêmio do concurso literário do Clube de Regatas com poesia em primeiro lugar e conto em segundo, certificado de participação do concurso literário da Casa do Poeta. Participou das Antologias Ponto & Vírgula – 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª edições, como do programa de mesmo nome com poemas de sua autoria, declamados pela apresentadora Irene Coimbra. É autor do livro “Devaneios Poéticos” pela editora Legis Summa. Está trabalhando em seu segundo título.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.