Resenha: Big Buka – Para Charles Bukowski


Um tributo vale na medida em que nos remete ao homenageado (ou quando o homenageado se sente lisonjeado), seja na música, no cinema ou nos livros. Diversas releituras de Beatles e Raul Seixas, por exemplo, emocionam fãs pela releitura adequada e bem estruturada. É assim com Big Buka – Para Charles Bukowski (155 páginas), da Editora Os Dez Melhores, organizado pelo escritor Afobório. O livro reúne dez contos de escritores brasileiros, abordando os temas que sempre estiverem presentes na obra do escritor americano, porres, mulheres, cotidiano, e melancolia, um estilo que fascinou gerações que buscavam uma obra com que pudessem se identificar.
Antes de mais nada, cabe ressaltar a qualidade da edição, muito bem elaborada. Capa bonita, bem formatada, diagramação complexa e interessante, excelente revisão dos textos. Os contos são precedidos por uma breve biografia dos autores e é um dos pontos a favor de Big Buka, uma justa homenagem e uma excelente divulgação de novos autores.

Os textos parecem ter sido organizados em gradativo frisson, como numa boa “trepada” descrita por Bukowski em seus livros, seguindo num ritmo lascivo que em determinado momento explode em gozo até esmorecer ofegante, com o cigarro aceso no canto da boca sorridente. Um brinde especial à “Charlene”, “O Açougueiro Moído”, “Os Felinos Sacam das Coisas”; e “O Conto Nunca Escrito” de Jeremias Soares, Rafael Simeão, Afobório, e Clayton Reis, respectivamente.

Um brinde a todos que participaram deste livro, aos escritores, ao organizador e à Editora Os Dez Melhores – baixinha, mas com comportamento de gente grande.


Dados Sobre o Livro:

– Organização: Afobório
– Editora: Os Dez Melhores
– 1ª Edição
– Ano: 2015
– 155 Páginas

Sinopse:

O coletivo Big Buka – Para Charles Bukowski (155 páginas),, reúne dez contos de dez escritores brasileiros e aborda os temas que sempre permearam a obra de Bukowski: bebedeiras, mulheres, literatura, cotidiano, melancolia.

A publicação é uma homenagem da Editora Os Dez Melhores ao grande velho safado, um dos maiores escritores de todos os tempos, e também, uma ótima oportunidade para divulgar novos nomes da literatura nacional.

Autores e seus contos:

. Afobório, “Os Felinos Sacam das Coisas”.
. Clayton Reis, “O Conto Nunca Escrito”.
. Fabio Mourão, “O Matador de Lésbicas”.
. Heliton Queiroz, “Underwood Nº 5”.
. Jeremias Soares, “Charlene”.
. Marina de Campos, “Aquele Velho”.
. Max Moreno, “Vinte Pratas”.
. Rafael Simeão, “O Açougueiro Moído”.
. Willian Couto, “A Vizinha Reboladeira”.
. Wuldson Marcelo, “Em Noite de Rock, Eis os Três Desejos de Naomi”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.