Entrevista: Lorena Brites, autora de “Acervo de Palavras”

Foto: Thadeu Burached
A Revista Pacheco tem a satisfação de entrevistar Lorena Brites, 24 anos, escritora, jornalista e palestrante. Mora em Arraial do Cabo, Região dos Lagos do Rio. Autora do livro de poesias Acervo de Palavras (2015, ed. Autografia).
1 – Seja bem-vinda à Revista Pacheco! Quando começou a escrever e por que escolheu a poesia?
Lorena - Meus primeiros contatos com os livros forma ainda na infância. Filha de mãe bibliotecária e pai professor, sempre tive minha vida mergulhada no universo dos livros. Quando eu não estava na biblioteca da escola, eu estava no trabalho da minha mãe, ou pedia para ela trazer livrinhos para mim. E os meus preferidos eram os de poesia infantil. Adorava copiar os poemas que mais gostava em um caderninho para ficar relendo depois.
2 - Como surgiu a ideia de lançar o primeiro livro, o que quer dizer Acervo de Palavras?
Lorena - Na verdade o livro já estava pronto há anos. Comecei publicando meus textos em um blog, mas que atualmente está desativado. O que faltava mesmo era a coragem para tentar publicar os poemas impressos. Até que na véspera do meu aniversário desse ano, eu resolvi que acabaria de uma vez com essa dúvida e tentaria o contato com alguma editora. Foi onde encontrei a Autografia, e a resposta veio em seguida com a aprovação do projeto. O título Acervo de Palavras em da minha fixação pelo significado das palavras. Lembro que quando criança andava com um dicionário para onde eu fosse coisa que aprendi com o meu pai. E até hoje gosto muito de abrir o dicionário ou pesquisar na internet a morfologia das palavras, para entender o porquê de cada nome das coisas. Não sou nenhuma expert nisso, mas acho que é uma curiosidade bastante benéfica, ainda mais para mim, que escrevo. E o nome Acervo vem das minhas memórias. E as palavras são parte de todas nossas experiências, por isso esse título.



3 - Como está sendo a experiência de ser escritora?
Lorena - Eu lancei meu livro tem apenas quatro meses, mas tenho vivido momentos lindos e muito gratificantes. Ainda não estou conseguindo viver apenas disso, mas acho que tenho potencial para isso e estou me planejando para em breve trabalhar apenas como escritora. Participei da Bienal Internacional do Livro – Rio da edição desse ano, e foi lá que tive certeza de que era isso que eu queria para minha vida. Como escritora estreante conheci muita gente, cheguei lá achando que mal ia conseguir atenção das pessoas, afinal é um evento enorme e a concorrência é pesada, muitos dos leitores vão interessados apenas em pegar autógrafos com autores famosos, e eu era apenas mais uma no meio de centenas. Mas valeu a pena, vendi bem e ainda recebi de volta muito carinho, posso dizer que já tenho alguns fãs, rs. Pessoas seguem a página do meu livro no Facebook e sempre recebo mensagens de incentivo e de agradecimento pelo livro. Também tive a oportunidade de participar de outras feiras na minha região e tenho recebido muitos convites para dar palestras sobre o meu trabalho, e a importância da leitura para os jovens.
4 - Já tem planos para o próximo livro? O que você tem feito?
Lorena - Muita gente me pergunta isso, por enquanto não. Eu até tenho um bom material de poemas e agora tenho investido também em mini crônicas, mas não estou com pressa de lançar já par ao ano que vem. Pretendo trabalhar bem na divulgação do Acervo de Palavras, ainda mais sendo uma nova autora, acho que não compensa lançar outro livro com tão pouco tempo do primeiro. São só quatro meses, acho que um ano meio é um bom espaço de tempo entre uma obra e outra, para dar a chance dos leitores me conhecerem. Poe enquanto tenho me dedicado à página do Acervo de Palavras, infelizmente não estou dando conta de atualizar sempre, pois também tenho que conciliar com o meu trabalho de jornalista. Mas estou me planejando para em 2016 dar mais atenção aos meus projetos. Gosto muito de trabalhar com educação, então estou com algumas propostas em papel e conversando com possíveis parceiros para viabilizar esses projetos a partir do início do ano que vem. Todos envolvem a leitura, mas de um jeito diferente. Ainda não posso revelar, pois não tenho nada garantido, mas tenho fé de que darão muito certo!
5 - Que conselho você tem para quem quer publicar um livro?
Lorena - Primeiro não tenha medo. É preciso ter consciência de que a partir do momento em que se deseja publicar um livro, você está se expondo para os outros, portanto, é preciso estar preparado para todo tipo de crítica, e também saber que o seu livro pode não ser um grande sucesso. Esse é um trabalho a longo prazo, pode ser que vire um best-seller, mas também pode ser que não. Além disso, é importante ler muito, de tudo, mas principalmente o estilo o qual mais se identifica, a maioria dos livros que compro é de poesia, para poder conhecer melhor sobre o assunto. E nunca deixe de escrever, guarde tudo, mesmo se achar ruim. Depois pode ser melhorado. Procure uma editora, peça opinião dos amigos, de pessoas próximas sobre a sua obra.
6 – Gostaria de agradecer a você pela entrevista! Onde os leitores podem adquirir o Acervo de Palavras?
Atualmente o meu livro está disponível na loja da editora Autografia, na Livraria da Cultura, e em e-book nas livras da Folha de S. Paulo e na Travessa. Ou, quem preferir pode entrar em contato comigo pela Fan Page do livro.
Links
Autografia:
Livraria Cultura:
Livraria da Travessa:
Livraria Folha de S.Paulo:
Página Acervo de Palavras:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.