Café Literário: Mau caminho

 

Gosto de beijos demorados. Gosto da sua incrível capacidade de se fazer único quando seus lábios raspam nos meus. Gosto da sua facilidade em não permitir que um átomo sequer separe as nossas bocas. Gosto daquele clima perfeito que você cria quando entro no carro e faz com que nada que acontecesse do lado de fora seja de fato real, por mais que o mundo dos sonhos seja aqui dentro. Gosto do seu talento de me fazer feliz em simples e únicas poucas palavras naquele tom safado o qual só você sabe usar, parecem que as palavras se sentem bem quando são pronunciadas por você e ficam por ali na sua boca até poderem correr para os meus ouvidos em seus mais ternos sussurros. Gosto de quando você congela o tempo e prende nossas bocas uma na outra com sua genial costura que chamam por aí de beijo, queria poder ficar aqui até o dia do juízo final, mesmo sabendo que nem o fim dos tempos seria capaz de quebrar essa paixão perversa que tenho por você, meu mais puro prazer, minha louca obsessão. Eu gosto tanto de você a ponto de achar perfeição em seus detalhes imperfeitos, naquele seu toque sereno que eu retribuo balançando minha cabeça e roçando em sua barba falhada. Se Deus um dia pensou em dar toda a beleza do mundo para alguém, pode ter certeza que foi pra você.

O importante de tudo é que aquilo que me muda, me transforma e me conquista. Não é só o fato de você beijar bem pra caralho e sua boca ser o mais infernal pecado, já que dizem por aí que o pecado tem a tendência de seduzir as pessoas e levá-las para o mau caminho. Com você, eu iria todos os dias pro mau caminho. Acontece que vai muito além da atração e sua forma de ser angelical me guia pelo paraíso. Quando você roça os lábios nos meus bem devagar, devagarzinho, esquecendo de todo um mundo que existe externo a nósdois me faz até acreditar que a felicidade existe, que ela tem nome, sobrenome e que beija muuuuito bem. Você congela o paraíso e todos os incríveis mínimos minutos que tenho pra estar do seu lado é a eternidade de segundos mais perfeita que um dia ousou existir.


Gosto de quando você se faz chuva e vem deslizando pelo meu corpo conhecendo cada parte de mim. Gosto de quando você se faz fogo e me envolve por completo. É engraçado como sua carinha de menino tímido é a mais perfeita máscara de um libertino safado. Gosto dos seus caricatos sorrisos mais perfeitos do universo. Gosto sobretudo de passar uma noite inteira com você e depois não conseguir dormir pelo resto da madrugada pensando em como foi bom te ter por perto. Gosto do fato de você me fazer superar os limites, ultrapassar as barreiras e me fazer acreditar que tudo está bem. Independente do que esteja acontecendo na minha vida é só você me beijar que vai ficar tudo bem. Vai ficar tudo bem... Você me acalma, você me diverte, você me transforma em algo bom. Gosto de ser o motivo do seu sorriso.


É uma pena que a vida só nos permita viver tão poucos raros momentos como estes. É uma pena que tudo isso que você me deu tenha sido apenas uma única vez. Eu queria que você tivesse deixado todas as suas surpresas pra ir me entregando aos poucos. É uma pena que você tenha só me usado, me descartado e feito de mim um brinquedo ao qual você corre quando tem vontade de se divertir ou quando o seu mundo começa a desmoronar. Eu sei que minha presença também te faz bem e esse sentimento é recíproco, por mais que você tente mudar, esconder. Por mais que não seja eu, com alguém vai ser... Mas pode me usar quantas outras vezes você quiser, desde que saiba fazer isso bem. Foi ontem, mas ainda sinto seu cheiro impregnado na minha roupa. Ainda sinto seu gosto marcado na minha boca. Ainda sinto você aqui. Foi ontem. Mas poderia ser hoje de novo e amanhã outra vez. Só que você não quis.

Thales Amaral 

Thales Amaral é autor de "Linhas Tortas - Identidade”, que ficou pronto em apenas um ano, publicado em 2013, que foi, inclusive, adotado por uma escola particular de Itaocara (RJ), terra natal de Thales. Participou do concurso da Secretaria de Cultura da Cidade do Rio de Janeiro, em 2014, classificando-se entre os 250 melhores poetas do país — com direito à publicação de sua poesia numa coletânea do concurso. Seu trabalho teve como tema "Últimas Palavras” e o título da coletânea, "Sarau Brasil 2014”, lançada pela editora Vivara. É autor também de "Universo Vermelho”, publicado em março de 2015 em Nova Friburgo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.