O reencontro


Nessas idas e vindas do mundo, cá estamos nós de novo, naquele chamado reencontro, não sabemos nem o que falar um para o outro, não sabemos como vamos nos tratar, um simples aperto de mão, um abraço ou um beijo fervoroso daquele jeito que você me dava quando se encostava ao meu corpo, sempre na premissa de um reencontro o fator determinante é que não queremos causar nada, pois nós já nos conhecemos, mas sempre queremos não repetir a mesma coisa, pois estamos mudados, éramos jovens de mais naquela primeira vez, não sei se isso é afeito do destino, se isso é traçado, mas quero o seu sorriso de novo enchendo o rosto lindo, com aquele toque de suavidade em uma complexidade tão diferente de tudo que eu já vi.

É meu bem, o amor bateu na nossa porta de novo, e deixa eu te falar, eu nunca fechei ela, em uma dessas nossas discussões eu coloquei a chave na sua bolsa, para só você ter a liberdade de invadir a hora que fosse, no reencontro nosso, o bom é que já nos conhecemos, alguns costumes, manias enfim, o universo ainda é o mesmo, sobre aquele batom vermelho que você usava, ainda lembro, você tem ele guardado naquela caixa de maquiagem sua? Use-o, vou adorar admirar o seu rosto com esse realce de paixão pairando sobre os seus lábios. Diz para mim que ainda sente a minha respirada as vezes ofegante ao seu lado na cama, que na madrugada acorda com essa sensação boa, buscando-me, ou simplesmente diga sinto sua falta.


Vem vamos tomar aquele café da manhã que era a nossa única refeição do dia juntos, mas deixa-me  segurar a sua mão dessa vez, vida corrida, to com saudade do seu abraço. Preciso te ver, preciso conversar contigo, será que poderemos nos reencontrar? Se a resposta for sim, meu numero não mudou é o mesmo, se por acaso apagastes, manda sinal de fumaça, carta, e-mail enfim, amigos em comum, mas não deixe de ver, ou melhor, não deixamos de nos ver.


Luís Fernando Drecksler

Luís Fernando Drecksler, brasileiro, reside em São Domingos, 24 anos, criador do blog Papo a 2, jornalista, escritor e narrador esportivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.