O voo do marreco


Quem nunca sonhou em voar? Não voar como Dumont e os irmãos Wright sonharam, mas levantar voo por si mesmo, como um pássaro, navegando pelo céu impunemente, sem compromisso ou responsabilidade como Ícaro. Coisa maravilhosa é sonhar! Ingressar nesse mundo fantástico onde tudo é possível, onde o descabido passa despercebido, é comum,é normal, é banal. 

Eu já passei esta experiência por diversas vezes, mas… é estranho. Em meu caso, eu sempre caminhava pelas calçadas do centro da minha cidade, em meio a tantos outros que se acotovelavam, apressados com seus compromissos, indo e voltando, alienados, cheios de sacolas nas mãos ou dedilhando smartphones. Em dado momento, eu dava uma pequena carreira, seguida de um salto, e sustentava-me no ar por alguns ínfimos minutos, bem baixo, próximo às cabeças dos transeuntes. Logo depois eu caía, um pouco ofegante, um pouco surpreso, um misto de estupefação e orgulho. Os outros nem se importavam com o meu voo, aquilo não era nada demais, apesar de ninguém ali ter aquela capacidade. 

Anos e anos foi assim: o mesmo sonho, o mesmo voo curto, como o de um marreco, meio atrapalhado, mesmo que eu quisesse muito mais, mesmo que eu quisesse ir muito além. Mas na noite passada foi diferente, muito diferente. Foi fantástico, descabido… 

Desta vez eu caminhava pelas ruas da cidade, e da mesma forma, dei uma carreira e um salto. Meu corpo ficou extremamente leve e levantei voo, com os braços esticados à frente, os punhos cerrados, sobrevoando as outras pessoas na calçada por algum tempo – aquele intervalo de tempo impossível de se medir em um sonho – e repentinamente subi em velocidade, acima dos postes, desviando dos cabos elétricos, alcançando o topo dos prédios, e além! Disputava o espaço com alguns pássaros que desviavam de mim assustados, o vento tocando meu rosto delicadamente em um belo e limpíssimo céu azul, de sol radiante. 

Em minha mente estava claro que não se tratava de um voo propriamente dito, mas de um grande salto, e que eu me equilibrava apoiando-me em colunas de ar quente ou frio, planando, perdendo altitude em alguns momentos, desviando novamente dos fios e voltando a voar com segurança logo em seguida. 

Era incrível, porque eu via coisas que eu jamais imaginei que fosse ver, eu vi tudo por ângulos totalmente diferentes, paisagens que estavam ali, do outro lado dos morros o tempo todo, e que eu não tinha conhecimento: lagos, florestas, e pessoas. Pessoas que me ignoravam, como se um homem voar fosse banal. Ninguém se surpreendia por eu estar voando ali, ninguém apontava para o céu, questionando se era um pássaro ou um avião. 

E então eu desci, ainda maravilhado por tudo aquilo, ofegante, feliz e sorridente como os loucos. Pousei – ou sei lá que nome podemos dar a isso – em um bar de um amigo meu (na verdade eu nem sabia que ele tinha um bar, mas sim, era ele por trás do balcão), encostei-me em uma janela, e já estava servido de um copo suado de cerveja. E ele fazia troça comigo, junto a outro cliente ao balcão. 

– E esse braço murcho aí, Super-homem? – ria-se do só então percebido uniforme tosco e folgado do Superman, confeccionado em malha de algodão desbotada, a já manjada cueca vermelha por cima da calça, e a capa meio embolada por cima do ombro esquerdo. E eu dizia: 

– E daí cara? Eu sei voar, eu aprendi a voar. Você sabe voar? Eu sei! – afirmava sorridente e cheio de orgulho, bebericando minha cerveja. 

E acordei. Ainda maravilhado por tudo aquilo, ofegante, feliz e sorridente como os loucos. 

Querido leitor, você sabe o que significa isso? Isso não significa coisa nenhuma, caro leitor. Mas que foi muito legal… ah, isso foi!

George dos Santos Pacheco
 
* Publicado na Revista Êxito Rio, em 26/08/2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.