Lançamento de Livros: Azules, por Cristiane Grando e O Monstro e Seus Vazios, por Wellington Souza

Cristiane Grando e Wellington Souza lançarão em outubro seus livros na 34º Semana Literária Sesc & Feira do Livro em Foz do Iguaçu


Azules


Publicado em São Paulo pela Editora Benfazeja, trata-se de um livro de poemas em português e espanhol, sendo a décima quarta publicação de Cristiane Grando. A obra é dividida em quatro partes (Châtres: poética da paisagem, As Musas, Genesis e Azules) e versa sobre locais, fotos, sensações, cotidiano, memórias. Châtres é uma pequena cidade francesa que, na alma da autora, é lavada pela chuva de Cerquilho, sua cidade natal localizada no interior de São Paulo. Em As Musas há reflexões doces sobre a sensibilidade e criação artística. A imagética Genesis expõe alguns poemas inspirados em fotos de Sebastião Salgado e de outros fotógrafos, e transita do Pantanal a Galápagos. Fechando o livro, Azules é um prisma que reinventa o significado das cores incidentes na poesia.

O Monstro e Seus Vazios


Estreia do autor, o livro busca uma poética na qual “a fumaça contorna as ruínas do homem/névoa/entranhas/seu resto de civilização” e explora a tradição de literatura introspectiva em que nas personagens ainda ecoam a pergunta deixada por Clarice Lispector: sou um monstro ou isto é ser uma pessoa? Cada poema é uma viagem interior, ora acompanhada por quem foi, ora por quem não é, por quem gostaria de ser, por musas inventadas. O livro reúne uma equilibrada mistura da força imagética do surrealismo e dos haicais com a influência de teorias psicanalíticas de Freud e Lacan. Morgana Rech, mestre em Teoria da Literatura e doutoranda em Teoria Psicanalítica, afirma no prefácio: “diante de uma poesia desta complexidade, onde o autor é ‘tão bruto quanto um caçador de borboletas’, a fragmentação do eu é delicada, mas estrondosa”.

Dia:  01/10/2015
Horário: 19h00
Local: Auditório
Público: Estudantes, professores, escritores, comunidade geral 


Sobre os autores

Cristiane Grando


Cristiane Grando nasceu em Cerquilho, 1974. Escritora e tradutora de textos literários (francês, espanhol e português). Autora de 14 livros publicados – Fluxus, Caminantes, grão, Claríssima, Arvoressências (com Mauricio Vieira), Numeralia, Azules – poesia em português, francês, espanhol, catalão, inglês e guarani. Laureada Unesco-Aschberg de Literatura 2002. Doutora em Literatura (USP), com pós-doutorado em Tradução (Unicamp), sobre as obras e manuscritos de Hilda Hilst. Professora na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila). Professora convidada na Universidad Autónoma de Santo Domingo-UASD, 2007-2011 (Leitorado/Itamaraty). Diretora do Teatro Municipal de Cerquilho, 2013. Diretora-fundadora do Jardim das Artes, Cerquilho-SP, 2004-2005, e do Centro Cultural Brasil-República Dominicana, extensão cultural da Embaixada do Brasil em São Domingos, 2009-2011.

Wellington Souza

Wellington Souza cresceu e vive em São Paulo. Escreve poemas e contos que lhe renderam participação em antologias de concursos literários e publicações em revistas on-line. O Monstro e Seus Vazios é o seu primeiro livro. Desde 2010, dedica-se à edição da revista literária Benfazeja e do site Concursos Literários http://www.concursosliterarios.net.br/, projetos que culminaram na Editora Benfazeja em 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.