Depois de SP, a autobiografia do cubano Manzano no Rio

Livro traz a primeira narrativa de escravo da América Latina

 
O lançamento de “A Autobiografia do poeta-escravo Juan Francisco Manzano”, que tem tradução, edição, introdução e notas de Alex Castro, aconteceu no dia 1 de setembro na Livraria da Vila, em São Paulo. O lançamento no Rio aconteceu no dia 8, terça-feira, na livraria Baratos da Ribeiro (Rua Paulino Fernandes, 15, Botafogo).
 
A “Autobiografia” de Manzano foi lançada em vários países desde seu lançamento como peça abolicionista em 1835, mas continuava inédita no Brasil. Em Cuba, a última edição foi há 40 anos. A versão organizada por Alex Castro sai no Brasil pela Editora Hedra e em Cuba pela Ediciones Matanzas, durante a próxima Feira do Livro de Havana.
 
A edição brasileira apresenta duas versões do mesmo texto: a tradução, em português simplificado e corrigido, e a transcriação, que reproduz o texto de Manzano em todos os seus desvios da norma culta. “A autobiografia é mais que seu conteúdo: a forma da escrita de Manzano é o melhor autorretrato que temos dele e sua maior contribuição à literatura. Seus erros de ortografia, gramática e sintaxe nos inspiram respeito: não são erros, mas sim marcas tão concretas e tão reais da escravidão quanto os lanhos de chicote em sua carne. Corrigi-los significa apagar sua trajetória, silenciar seu sofrimento, rasurar sua vida”.
 
Para Castro, a tradução tem como função ser acessível a estudantes de nível médio, enquanto a transcriação deve interessar a historiadores e literatos. “A transcriação tem como objetivo ser o mais fiel possível à voz de Manzano, à sua sintaxe, à sua escolha de palavras, ao ritmo de suas frases e pontuações idiossincráticas”, diz Castro.
 
A autobiografia de Juan Francisco Manzano nos apresenta um herói sensível e inteligente diante de uma tarefa complicada: denunciar a escravidão sem ofender os seus patronos escravocratas. Em jogo, sua vida e sua liberdade. No meio disso, a literatura.

Autobiografía, de Juan Francisco Manzano. Edição, introdução e notas de Alex Castro. (Ediciones Matanzas, Cuba, 2015.)

A autobiografia do poeta-escravo, de Juan Francisco Manzano. Edição, tradução, transcriação, introdução e notas de Alex Castro. (Editora Hedra, 2015.)


Mais informações:
www.juanfranciscomanzano.com

Karen Bassetti, assessoria de imprensa: (19) 98880 7854 – comunicando.mb@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.