Sete curiosidades sobre “Uma Aventura Perigosa” que você precisa saber

 
Um romance erótico com toques de humor e sarcasmo. Essa é a receita que o Pacheco seguiu para desenhar “Uma Aventura Perigosa”, seu segundo romance, pela Editora Buriti. A trama se desenvolve a partir dos apuros de Max de Castro, um funcionário público insatisfeito no trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo.
Durante o lançamento, o autor conversou com alguns jornalistas e deixou escapar algumas curiosidades sobre o livro, que você confere a seguir:
1 – Origem
A ideia para a história surgiu durante o Encontro Literário Narrativas fantásticas – A Literatura da Invenção, do Festival de Inverno Sesc Rio 2013, com Bráulio Tavares, do qual Pacheco participo como mediador. Ele conta: “O Bráulio fazia uma incursão sobre a escrita confessional, falando sobre vários autores brasileiros que faziam uso desse recurso. A certa altura ele comentou sobre um amigo psicanalista que receitava o exercício da carta confessional. Naquele momento, toda a história começou a se desenhar em minha mente e sua escritura demorou cerca que nove meses”.
2 – Max de Castro
O nome é uma brincadeira com a personalidade do personagem. “Max” seria o máximo de “Castro”, usado no livro como corruptela da palavra “casto”, que vem do latim castus, que significa puro. Seria o “mais puro”, e quem já leu o livro sabe muito bem que isso ele não é.
3 – Influências
Pacheco conta que para escrever “Uma Aventura Perigosa” teve como influências os livros: “O que contei a Zveiter sobre sexo”, de Flávio Braga; “A maldição do macho”, de Nelson de Oliveira; e “O Escorpião da Sexta-feira”, de Charles Kiefer. Em comum, os livros têm a participação autodiegética, em que o narrador participa como personagem principal.
4 – Capítulo fora do lugar
O capítulo “A Festa de Baco” era para estar logo após o capítulo 15, mas o autor preferiu deslocá-lo para o final do livro.
5 – Referências musicais
O livro tem uma série de referências musicais que um leitor mais atento poderá perceber, como Claudio Zolli, Charlie Brown Jr., Bon Jovi, Black Eyed Peas e até mesmo Asia.
6 – Gastronomia
Fâ de gastronomia, George não poupou descrições de pratos e até mesmo uma receita de caipirinha.
7 – A entrevista
A entrevista que o personagem assiste e que o estimula a escrever a carta confessional, também é uma referência ao início da carreira de escritor de George dos Santos Pacheco. O jovem assistia em 2006 a uma entrevista em um programa televisivo em que uma escritora, lançando seu último livro, incentivando aqueles que desejavam ser escritores com a máxima “Você já pensou em escrever um livro?”, com a justificativa de qualquer um poderia escrever, bastava ter o que dizer.
Deu no que deu.
Uma aventura plausível?
Em defesa de seu livro, Pacheco afirma que sua trama é mais próxima da realidade do que as obras eróticas importadas que invadiram o mercado brasileiro. “São pessoas comuns, com dramas comuns, que vão fazer os leitores se identificarem e se divertirem bastante”.
Ficou com água na boca para ler o livro? Acesse o site da Editora Buriti e garanta já o seu!
 
Fonte:

BaratoCultural

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.