Resenha: 100º - Editora Buriti



Há pouco tempo estreava o cenário nacional a Editora Buriti com a proposta de lançar novos e experientes escritores, e nesta levada de 4 anos, muito bem vividos, a empresa literária e de sonhos, chega ao seu 100º exemplar que é comemorado com está antologia repleta de autores que fizeram parte desta caminhada ou construção de cem tijolos, da qual, tenho o prazer de ter feito parte.

Entre antologias e livros pessoais se vê um belo horizonte talhado pela Buriti.

Num contexto geral a Buriti 100 é maravilhosa, cheia de contos incríveis e muito bem construídos; englobando vários gêneros literários desde o terror, romance, cotidiano, ficção e fantasia. A Buriti 100 é um mundo de fascínio e encanto escrito por seus autores.

A qualidade da obra é incontestável, e acho incrível ver a força da Literatura Nacional com estes jovens e experientes escritores. Deixo meu orgulho expresso em fazer parte disso. E que venha 200, 300, 400... e assim por diante.

Segue abaixo uma pequena opinião pessoal dos contos que engordam deliciosamente a antologia.


Pássaros – Thiago Lucarini


Bem, não faz sentido em eu falar do meu conto. Próximo.

Segredos do Passado – Lúcia Helena Gomes


Conto com enredo envolvente e inteligente, com uma sacada única, e que nos faz rir no final.


O Professor de Rebeldia – Edson Amaro


Isso não foi um conto (é muito mais do que isso). Deveria ser um documento endereçado a todos os chefes deste país. A Educação carece de mais professores de rebeldia, meu BRAVO! Ao autor.

Eventualidades – Vanessa Preuss


Eventualidades é um conto envolvente e discreto, deixando um gosto de quero mais e uma dúvida: a personagem é de fato uma vítima ou um fruto de eventualidade? Talvez, para essa ambiguidade seja melhor não ter resposta.


Curtas Razões – Juan Toro


Lirismo tocante do autor na poesia de Curtas Razões a versar sobre temas corriqueiros.


O Cão da Meia-Noite – João Marciano Neto


Bem, tenho um tombo monumental por contos de terror, e este é demais. Hoje, creio eu que dormirei cismado.


Tarde Demais Para Suzanne – George dos Santos Pacheco

Nunca será tarde demais para os que acreditam. Tive uma identificação com a obra, talvez, por pensar em algumas coisas da mesma forma, da superficialidade dos dias atuais, ou melhor, das pessoas atuais. Ótimo conto.


A Confissão – Tarzan Leão


Conto magnificamente escrito, de uma primazia ímpar, leva-nos aos mistérios da carne e da sacralidade, talvez, o sexo seja o que de mais santo e não profano tenha o homem. Excelente.


O Príncipe, a Camponesa e o Dragão – Francélia Pereira


Também tenho uma queda por contos de fadas, e esta obra o é. Lindo e inspirador, e traz em si uma profundidade tocante. Cativante.

Julgando a Experiência – Nana Lees


Curto e profundo. Sem mais.


Irresistível – Cristina de Azevedo


Conto legal, confeccionado sob a ótica sedutora e vampiresca.

O Assaltante – Grimaulde Gomes


Conto super atual, cômico, bastante divertido. Excelente.


Para Tudo Ficar Bem – Ariel Ganassim


Um conto, que acredito falar de um amor criado, inventado a musa imaginária e seu adorador vivo.


O Estranho – V. M. Gonçalves


Fantasia formidável, conto encantador e de uma beleza singela. Dá vontade de ler muito mais. Belíssimo.


Mistérios Noturnos – Elias Ribeiro


Surpreendente. Gosto desta inteligência literária de levar o leitor acreditar em algo, que não o é de fato, fazendo do final, um ato único e belo.


O Grande Mestre do Tempo – Raquel Pagno


Um conto para ser lido para crianças e adultos, parece uma daquelas estórias que devem ser contadas e passadas de geração em geração. E desejo que seja mesmo.


Paraíso – Ane Viz


Uma narrativa peculiar, que lhe faz pensar que não haverá um final feliz, mas que entrega ao leitor um paraíso singelo e feliz.

Grandeza de Deus (José Coriolano) – Saulo Barreto


A Grandeza de Deus e Os Dez Mandamentos são dois poemas que trazem em seu conteúdo uma bela lírica estética e distinta, com conteúdo sacro e de pleno amor, poesia sempre me fascina e a de José Coriolano não foi diferente.


Chegou Atrasado – Anderson Caum


Um conto para reflexão, retratando o cotidiano de muitas pessoas que tentam uma vida melhor, mas que acabam por perecer no meio do caminho. Incrível.

À Sua Maneira – Igraínne Marques


Apaixonante e poético. Conto de uma leveza e delicadeza emocionante. Não sou de marcar frases soltas, mas está é belíssima e inspiradora. “O cabelo que sempre fora minha parte favorita, uma desordem poética, a cereja de toda a poesia marginal que o compunha.” Excelente.


Ratos – Rodolfo Santos


Conto repleto de mistério e suspense, muito bem construido.


Mortuário – Felipe Araújo


A descrição de um humano em seus últimos lampejos de humanidade transformando-se em um morto-vivo faminto e impiedoso. Legal.


Richard from Britain – Luiz Fabrício de O. Mendes – Golfield


Fico maravilhado quando vejo uma estória tão bem arquiteta, e que se passa em terra tupiniquim, mostrando que o Brasil tem sim, um gigantesco potencial para Literatura Fantástica desenvolvida sem remorso neste solo verde e amarelo. Excelente.


Sangue Falso – Marina Maria


Um conto de horror bem interessante, onde nada do que parece é. Intrigante.


Azar o meu – Emerson Dantas e Pimenta


Um conto divertido de terror, relatando as fantasias de um bancário e com sua colega de trabalho. Azar será de quem não o ler!


Ah, Um Doce Anjo – Alice H. Alamo


Perigoso, sexual e excitante. Maravilhoso e tentador. Excelente.


A Morte é Bem-vinda – Fabrício Rufino


Violento, mas real, e que me fez pensar, em quantas crianças não passam diariamente pelo mesmo ou até coisa pior, pois a ficção jamais superará a fria realidade. Sensacional e reflexivo.


Aquele Olhar da Infância – Mila Olivier


Belo e trágico. O remorso de um ato não feito para alguém que se ama é algo devastador. A culpa é o pior fardo de um homem.


Playlist de Dias de Chuva – Raphael Cardoso


Conto apaixonante, inteligente e achei um tanto poético também, dias de chuva tem esse poder. Talhado naplaylist cuidadosamente escolhida. Parabéns ao autor.


O Despertador – Renan Barcellos


Conto enigmático, construído no bater de um coração.


Trevas Sobrepostas – Douglas Camillo-Reis


Outro conto desta antologia que prova que a Literatura Fantástica brasileira não deve nada a de nenhum outro país. Lindo conto e muito bem trabalhado.


O Salvador, Darli – Mark Brunkow


Este conto, como se é esperado do título, é uma obra de arte literária, de perspicácia de enredo e um sarcasmo inteligente. Fabuloso e fisiologicamente correto. 


Problem Child – Adriano Siqueira


Conto intrigante e incrível; que traz em suas páginas um enredo enigmático e cativante; o poder está nas mãos do improvável. Excelente.


O Show – Rodrigo Slama


Conto divertidíssimo e engraçado, principalmente para quem não gosta da referida banda. Muito bom.


Doom – Matheus Moledo


Conto com temática extraterrestre, do qual, sou suspeito para falar, muito legal.


Adeus, amor – Lyli Adams


Melancolicamente belo, amor e tragédia combinam impressionantemente bem. Belíssimo conto.


O Mundo de Lucía – Lizete Meine


Um conto que creio eu, fale da descoberta feminina, ao sair do estado de subjugação para a qualidade de um ser de identidade própria e forte. Da figura ‘fêmea’ e da sua desambiguação de mãe e mulher.


O Deserto – Érica Christieh


A antologia termina com um conto sobre redenção e reconciliação com o Pai Todo-poderoso, através da fé e seu amor incondicional para com o homem.


 Os autores:


George dos Santos Pacheco, Marina Maria, Lúcia Helena Gomes, Renan Barcellos, Rodolfo Santos, Rodrigo Slama, Matheus Moledo, Edson Amaro, Emerson Dantas, Luiz Fabrício Mendes, Érica Christieh, Adriano Siqueira, Raquel Pagno, Camila Oliveira, Fabrício Rufino, João Marciano, Grimaude Gomes, Vilson Gonçalves, Vanessa Preuss, Felipe Araújo, Luana Vicente, Douglas Camillo-Reis, Lizete Meine, Elias Ribeiro, Tarzan Leão, Ariel Ganassim, Ane Viz, Mark Brunkow, Francélia Pereira, Alice Alamo, Juan Toro, Raphael Cardoso, Igraínne Marques, Nana Lees, Cristina de Azevedo, Saulo Barreto, Anderson Caum e Thiago Lucarini.

Thiago Lucarini

Thiago Lucarini é nutricionista. Em 2012, lançou o livro Réquiem pela Editora Multifoco. Em 2014 publicou a obra Além do Véu da Morte pela Editora Buriti e prefaciou o livro Os Filhos de Ítaca da escritora Angie Stanley. Participa das antologias The King, Conte Uma Canção e Solarium 3, da Editora Multifoco com os contos “Zumbi”, “Quanto Tempo Demora Um Mês” e “Super-Nova” respectivamente. Das coletâneas: Sonhos & Pesadelos, Contos Eróticos, Contos Sobrenaturais: Enquanto a Noite Durar e, E Se Só Me Restasse Esse Dia, da Editora APED com os contos “O Ladrão de Sonhos”, “Vestido de Noiva”, “R.I.P” e “Naquela Noite de Estrelas Cadentes” respectivamente. O e-book Borboletas pela Editora Navras. Das antologias: Sombrias Escrituras Vol. II Noite Aterrorizante, Era Uma Vez... Contos Infantis e Nação Zumbi – da Editora Literata, com os contos “O Relógio do Demônio da Morte”, “Tempestade e Comedores”, e por fim, da coletânea Nada Será Como Antes da Darda Editora com o conto “Almas”. 
Twitter: @thiagolucarini / Blog:http://escritorbrasileiroalianca.blogspot.com.br/  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.