Quando a literatura convida para brincar!

Projeto Leitura Genial transforma leitores em personagens – literalmente.

– Vamos brincar?

Eis um convite que a maioria das crianças recebe todos os dias, geralmente de outras crianças. Agora imagine um livro convidando o leitor para brincar? Parece impossível, mas não é. Pelo menos não para Adelita Becker, representante em Curitiba da Genial Books, empresa paulista especializada em livros infantis personalizados.

Através do projeto Leitura Genial, Adelita disponibiliza 15 títulos de literatura infantil e infantojuvenil, nos quais cada criança pode ser a protagonista. Como? Por meio da impressão de uma edição única e totalmente personalizada, onde o nome do leitor é incluído no enredo da história, e reproduzido em todas as páginas do livro. Deste modo, a criança acaba virando um dos personagens, é envolvida de modo direto na fábula, e passa, literalmente, a fazer parte da narração.

Além de introduzir o leitor na história, o projeto também oferece a impressão de uma dedicatória exclusiva, e a inserção do nome de outras três crianças, ou até de seus pais e familiares. Assim, tanto você, quanto seu filho, seu irmão ou seu sobrinho, passam a dividir as atenções e os diálogos com O Rei Leão, com a Pocahontas, com o Aladin, e com dezenas de outros personagens do fantástico mundo da literatura infantil.

O conteúdo é altamente educativo e interativo, e está disponível em sete idiomas: português, inglês, espanhol, alemão, francês, italiano e castelhano. O projeto Leitura Genial oferece ainda contação de histórias, oficinas, e diversas atividades para eventos literários.

Tive a oportunidade de ter em minhas mãos o livro Hércules (ou melhor, Jana e Hércules), e me surpreendi de diferentes maneiras. Primeiro, a qualidade da impressão: a obra possui tamanho A4, capa dura, e suas 36 páginas são lindamente coloridas. A história é extremamente cativante e bem escrita, e as ilustrações são caprichadas, repletas de detalhes.

No entanto, ver o seu nome integrando e interagindo com o livro é o ponto alto do projeto. Transformar-se em um dos personagens de clássicos da literatura é, para dizer o mínimo, gratificante e empolgante. Deste modo, mais do que um simples livro, a obra passa a ser uma espécie de suvenir literário exclusivo; uma lembrança carinhosa que certamente nunca será esquecida – independente de sua idade.

Contudo, dentre tantas qualidades, acredito que o maior mérito do projeto Leitura Genial seja resgatar nossos jovens leitores da internet, trazendo-os de volta para perto das estantes.

Em uma época de informação virtual desencontrada e frenética, em que nossas leituras se limitam a 140 caracteres, é simplesmente sensacional ver a criançada mergulhada em um livro, vivenciando e experimentando a sensação única de viajar através das entranhas de sua própria imaginação.

Sabemos que, atualmente, muitas editoras estão se empenhando em devolver para a literatura a aura de diversão e entretenimento que sempre possuiu – e que parece perdida nos dias de hoje. Assim surgiram livros digitais altamente elaborados, repletos de efeitos literários especiais e recursos dos mais variados. Neste cenário, o projeto Leitura Genial vai na contramão – e indo na contramão, consegue o que muitas editoras renomadas ainda não conseguiram: atrair, encantar e prender a atenção do jovem leitor. E da maneira mais analógica possível.

A grande inovação do projeto encabeçado por Adelita Becker é não inventar moda, e nem criar distrações para o que realmente importa: a história, a literatura. Uma opção educativa, lúdica e linda, pra lá de especial, para pais, para educadores, e principalmente para a meninada.

Porque quando um livro convida para brincar, ninguém é louco de não aceitar.

* Para saber mais, acesse o blog (www.leitura-genial.blogspot.com.br) e a página do projeto no Facebook (www.facebook.com/leituragenial). Dúvidas ou informações, favor entrar em contato com Adelita Becker através do e-mail atendimento.leituragenial@gmail.com

Jana Lauxen
 
Jana Lauxen tem 30 anos, é editora, produtora cultural e escritora, autora dos livros Uma Carta por Benjamin (2009) e O Túmulo do Ladrão (2013). Já publicou em mais de quinze coletâneas, e organizou nove, algumas em parceria com outros escritores.

Site: www.janalauxen.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.