Literatura friburguense em destaque na III Festa Literária da Serra, em Bom Jardim - RJ

 

A Literatura friburguense esteve em festa nesse fim de semana, literalmente. De 20 a 23 de agosto, Bom Jardim sediou a 3ª Festa Literária da Serra (FLITS), que teve como um de seus eventos o 1º Concurso de Prosa e Poesia de Bom Jardim, que contou com a Editora NITPRESS como parceira, que editou o livro "Autores da Serra", elencando os ganhadores do concurso.

Entre os selecionados estavam o escritor friburguense George dos Santos Pacheco, que obteve o 3º lugar com o conto "O Dono do Bar", e Ana Géssica Fernandes da Silva, também de Nova Friburgo, em 2º lugar, pelo conto "O Caso da Abobrinha. Ana Géssica ainda faturou uma Menção Honrosa por sua poesia "Esmola".

Confira aqui o resultado do  1º Concurso de Prosa e Poesia de Bom Jardim!

Categoria Poesia

3º Lugar:

Mãe Estrela Guia
Dyrce Pinto Machado - Cantagalo


Prosa de Matuto
Octávio Ernesto Azevedo - Bom Jardim

Cartilha
Alberto Serrano - Bom Jardim

Categoria Prosa


O Dono do Bar
George Dos Santos Pacheco - Nova Friburgo


O Caso da Abobrinha
Ana Géssica Fernandes Da Silva - Nova Friburgo


Uma Dúzia
Sonia Cristina De Abreu Pestana - Teresópolis

Lançamento de livros


 A escritora friburguenser Ania K. Gevezier lançou na sexta, 21 de agosto, o livro Café sobre tela. Trata-se de um romance histórico/ de época, vivido na região fictícia de Serra Vermelha, que corresponde à região serrana do Rio de Janeiro. A trama trata do casamento arranjado de uma menina, de apenas doze anos, com um rapaz mais velho, filho de um barão do café, e as peculiaridades de sua relação. Equilibrando o romantismo central, a autora aborda o tema da escravidão e seus dissabores.

O sábado foi o dia de George dos Santos Pacheco lançar seu livro, "Uma Aventura Perigosa", em concorrida noite de autógrafos. No romance, Pacheco descreve de forma audaciosa e sem pudores as aventuras sexuais do “orgulhoso, impulsivo, e machista” Max de Castro, que se envolve com diversas mulheres ao longo da trama: jovens, universitárias e prostitutas. Com toques de humor e sarcasmo, Pacheco narra a impossibilidade de sair ileso a qualquer relacionamento, garantindo grandes surpresas aos leitores.

Um comentário:

  1. Parabéns aos autores! Já foi anunciado: a NITPRESS vai patrocinar o II Concurso de Prosa e Poesia para 2016!

    ResponderExcluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.