Em seu sexto romance, Luiz Biajoni explora o relacionamento entre dois amigos



Dois grandes amigos dos tempos de colégio se reencontram vinte anos depois e fazem uma viagem de carro onde vão confessar segredos, amores e crimes. Este é o mote de “A Viagem de James Amaro”, sexto romance do americanense Luiz Biajoni. Depois de “Virgínia Berlim – Uma Experiência”; de “Elvis & Madona – Uma Novela Lilás”, onde o escritor romanceou o filme de Marcelo Laffitte; e de “A Comédia Mundana – Três Novelas Policiais Sacanas”, que reuniu seus três romances policiais repletos de sexo e crimes, Biajoni muda o tom: “A Viagem de James Amaro” não tem sangue ou subtramas, não tem tanto sexo quanto nos outros livros e a linguagem está mais contida. “Sempre digo que é a história quem pede a forma do romance”, explica o escritor. “Aqui, onde temos dois amigos dentro de um carro, escutando discos de jazz, a linguagem que se impôs foi aquela mais introspectiva, tonal e até experimental”, conclui.

Mas não estamos diante de um livro difícil: a narrativa é, mais uma vez, ágil e cinematográfica. A referência aqui é o cinema inglês dos anos 50 – ou, como diz Biajoni, “mais propriamente, Nicholas Roeg”. Essa referência, porém, se soma ao ritmo do jazz americano dos anos 50, que permeia o romance. “Queria que o livro funcionasse como uma jam session clássica, com quatro instrumentos, dois solando e dois na base. Por isso, a narrativa tem quatro vozes”, explica.

A ideia para a história nasceu durante uma palestra do especialista americano em roteiros de cinema, Robert McKee. Biajoni conta: “Eu estava vendo essa palestra, estava cansado, meio que dormindo, e ele falava sobre um filme, ‘Ânsia de Amar’, do Mike Nichols, e, num instante, tive um instalo e a trama de ‘A Viagem de James Amaro’ apareceu todinha em minha mente, nem precisei anotar”. A escritura do romance demorou menos que três meses.

O livro sai agora, pela editora Língua Geral, com capa de Lourenço Mutarelli. O posfácio, do mestre em literatura e diretor de teatro Daniel Martins, conta uma história inusitada por trás da gênese do romance – e que contradiz Biajoni. Segundo Martins, a trama começou a surgir há cinco anos, quando o autor teria sido contratado para escrever um volume como ghost writer – e essa contratação desastrada teria sido o início de “A Viagem de James Amaro”.

Com a palavra, o leitor.

Luiz Biajoni na Off Flip das Letras 2015

Biajoni participa do debate “A Nova Literatura Policial Brasileira, Um Gênero em Ascensão”, junto com os autores Raphael Montes e Fernando Abreu, com mediação de Valéria Martins, na sexta-feira, dia 3 de Julho, 14h45, na casa Off Flip das Letras (Rua da Lapa, 375, Centro Histórico, Paraty, RJ), durante a Flip 2015. Após o debate, ele irá apresentar “A Viagem de James Amaro” aos participantes. A entrada é franca.

Mais informações:

Karen Bassetti, Assessoria de Imprensa: (19) 98880 7854

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.