Café Literário: Aos meus olhos... e aos teus?


Em uma fotografia em preto e branco, um tanto quanto amarelada pelo tempo, vejo uma mulher. Está sentada em um cenário que parece ser uma varanda. Na poltrona onde está, com as pernas cruzadas (posição que talvez lhe tenha permitido melhor apoio para o livro que tem entre as mãos), chama a atenção o pé que lhe ficou suspenso no ar. A pender displicentemente dele, um chinelinho de pano.
 
Atrás de si, uma janela com um vaso de flores no peitoril  deixa passar uma luz mortiça, o que sugere estar amanhecendo ou ocorrendo o crepúsculo de um dia qualquer. O primeiro impulso que esta imagem de mulher me causa é de querer chamá-la, acenar-lhe, sinalizar que também sou daquela “religião” de leitores. Ela, cuja face esqueci, cujas roupas mal notei, precisamente que idade tinha, não sei dizer, se aproxima de mim, pelo mero ato de ler. Mas o que estaria lendo? Será possível adivinhar a natureza de seu livro? Um romance de capa e espada com páginas recheadas de amores, damas perseguidas a desmaiar em florestas sombrias, perturbações do coração, juramentos, soluços, lágrimas?
 
E se descobríssemos que, na verdade, o livro era o Madame Bovary, aquele romance escandaloso de Flaubert? Ou, na mesma linha, a mulher fotografada estivesse se deliciando com as peripécias da personagem Luísa de O Primo Basílio. Ou ainda, quem sabe, imaginando os “olhos de ressaca” da Capitu de Machado de Assis? Não. A foto não é tão antiga assim... Talvez tenha entre as mãos o Mrs. Dalloway, de Virgínia Wolff, ou, mais surpreendente ainda, recebendo naquele instante do flash da máquina, o impacto da estrofe de Floberla Espanca: “Quem me dera encontrar o verso puro, / O verso altivo e forte, estranho e duro, / Que dissesse a chorar isto que sinto!”?
 
Nada! Acho mesmo que era uma coletânea “anos 80”. Seria? Talvez uma coletânea reunindo Sônia Coutinho, Helena Parente Cunha, Lya Luft, Marina Colassanti, Lygia Fagundes Teles e a grande Clarice!  Mas, oh meu Deus! Não há como saber qual teria sido o livro.  Numa última olhada à foto, percebo que... Sim. É isto.
 
***

Ela interrompe a leitura por um momento, olha para outro ponto do livro onde está encartada uma correspondência que há pouco lhe fora entregue e que não tivera nenhum ânimo para ler. Desvia lentamente o olhar para um pouco mais além, porque nesse exato momento um raio de sol   coou pela fenda envidraçada da janela e foi incidir precisamente no seu pé suspenso. O morno calor da luz solar daquele fim de tarde – é fim de tarde, agora imaginamos - incidindo no chinelo de cetim rosa, casou-lhe um reflexo nervoso que a fez encolher os dedinhos. E, enfim, o chinelinho escapuliu-lhe no rumo certo do chão da varanda.
 
***

“Naquele dia eu me aborreci tanto como ele. Estávamos os dois em uma cadeira no quarto do hotel. Ele me  puxara  para si e me pôs sentada em seu colo. Fiquei amuada fingindo não dar atenção às suas explicações. Estive olhando fixamente para meus pés pendentes, fingindo brincar de equilibrar o chinelinho de cetim que se sustinha apenas nos dedos do meu pé nu. Naquela época, como eu era boba! Não sabia que podia ter controlado a situação. Podia mesmo ter dado as regras, armar a cena, distribuir os papéis. Seria, se quisesse, ter sido a sua amante, já que ele era casado. Seria a diabólica e não a santa. Por que não? Pelo menos o teria para mim. Mas não, ele se recusou a me amar de verdade. Por que será que o amei tanto assim? Por que esse sentimento? Ele chegou e eu não sabia de onde vinha, ou como explicá-lo. Naquela época e até mesmo agora, não encontro explicações. Não há mais nenhuma necessidade de explicações. Ah, aquela primeira tarde que passamos juntos... Quem me dera poder revivê-la novamente... O deleite úmido daquela tarde. As palavras doces que ele me dizia ao ouvido, os beijos na minha orelha me deixavam tonta, minha vontade dele estava à flor da pele e aquela inquietude sexual se instalando em mim. A princípio eu não consentia, mas deixei que acreditasse que queria. A áspera ternura de sua barba no meu pescoço foi me enlouquecendo e ele não parava de mordiscar-me o pescoço... Se deitando sobre o meu corpo. Ah, um furacão de desejos me arremessou a sensações que nem mesmo eu sabia que existiam. Um arrepio esquisito me fez abrir as coxas gentilmente, queria tê-lo dentro de mim para que saboreasse todo o prazer que minhas entranhas poderiam lhe dar, um atrito tão gostoso escorregando dentro de mim, e eu fui sentindo uma vontade quase irresistível de gritar. Gritar e pedir mais...e pedir mais... A intensa alegria de se estar viva naquele instante. Um orgasmo perfeito como nunca mais senti em toda a minha vida. Nunca mais, nem mesmo quando, anos depois, me casei. Um casamento de pura conveniência financeira. Virei a puta de um homem só. A fêmea  comida e caçada há milênios. Pois é. Tudo isso terminou por criar em torno de mim um escudo inexpugnável. Jurei não amar mais ninguém. Tive que sublimar a ferro e a fogo aquela coisa que em mim ardia por ele. Quantas e quantas noites passei em claro, pensando nas palavras que ele me havia dito... Não. Daquela forma eu não conseguiria tê-lo. Jurei e consegui que ele jamais me tocaria novamente. Nunca mais. Privei-me e não deixei, que ironia, de passar pelas abjeções de um casamento de conveniência:  trabalhos domésticos, roupinhas de marido a cuidar, comidinhas a fazer e meus sonhos distantes... As promessas da minha juventude, expectativas caídas na lama como pássaros feridos. E por quê? Para quê? Para hoje estar aqui sentada com uma conta bancária gordíssima, e ainda por cima, viúva, sem filhos, sem ninguém. E ele, coitado, continuou casado, não teve filhos, e foi viver no Rio Grande do Sul... Se não fosse o Ernesto que, casualmente, em uma de suas viagens, não o tivesse encontrado, eu não saberia nem se ainda está vivo ou não... O que será que o Ernesto me conta nesta carta?
 
***
    
Prezada amiga,
    
Escrevo-te mais uma vez para dar-te notícias de nosso amigo. Infelizmente, ele não tem apresentado muitos progressos com a paralisia. Entretanto, a saúde geral é boa. Esforço-me o quanto posso para que não percebam de onde provêm as doações à casa de saúde onde ele está. Graças ao teu dinheiro, minha amiga, tornei-me bom samaritano.
    
Mas o que eu não faria por ti?
    
Um beijo desse seu criado,
                
Ernesto.
 
P.S. Anexos vão os comprovantes bancários das últimas doações que fizemos. Vai também anexa a nota fiscal de uma cadeira de rodas que fiz chegar até ele. Ficou muito feliz. Depois te conto detalhes. Aos meus olhos parece que fiz bem. E aos teus?
 
***

E então, a minha personagem Anita – eis afinal seu nome - que por enquanto só a mim pertence, descruzou as pernas em busca do calor do velho chinelinho de cetim cor-de-rosa. 

Krishnamurti Góes dos Anjos
 
Krishnamurti Góes dos Anjos. É escritor e pesquisador. Autor de: Il Crime dei Caminho Novo – Romance Histórico – 1999 - Ed. Òmnira – Salvador/BA. Gato de Telhado – Contos – 2000 – Ed. do Autor – Salvador/BA. Um Novo Século – Contos – 2002 - Ed. Ómnira. Embriagado Intelecto e outros contos – Editora do GAC-Ba. 2005 – Salvador/BA. Doze Contos e meio Poema – 2011 – Casa Editora A LUVA – Salvador/BA. Tem participação em 22 Coletâneas e antologias, algumas resultantes de Prêmios Literários. Possui textos publicados em revistas literárias na Argentina, Chile, Peru, Venezuela, Panamá, México e Espanha. Seu último livro publicado pela editora portuguesa Chiado, – O Touro do rebanho -, obteve o primeiro lugar no Concurso Internacional da União Brasileira de Escritores UBE/RJ em 2014, na categoria Romance.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.