Arte de amar




Em tempos atuais amar virou algo que compramos na venda da esquina, casais sem paixão, sem tesão, sem apreço, sem sal. Amar requer requintes de humanidade, não diga alguém que você ama se não vive intensamente isso, hoje ficou fácil amar, eu conheço você à dois dias e já te amo, babaquice, conversa furada, você pode levar a vida para amar, você se ama? Amor verdadeiro já dizia uma grande filósofa, minha adorada avó “Amor verdadeiro é de pai e mãe”. Esquece esse ritual todo, ame a si mesmo, a si próprio e não seja singular ao pé disso. Tô cansado desse flerte singelo de amar sem ao menos conhecer a pessoa, isso é vulgar. O amor requer tempo, requer destreza.
 
Para amar alguém o sentimento deve ser humanitário, presente, tanto em você quanto na outra pessoa. Amor singular existe sim, que apenas um da relação ama, as almas são diferentes, amor vagabundo esse, não achas? Quem sabe, ninguém pode afirmar, cabe você esquecer pular fora e tentar outra, cabe você encarar e tocar o barco. Não se desespere, o amor bate a sua porta novamente. Você estará preparado? Da mesma forma é você que decide se atirar de cabeça e topar todos os desafios ou apenas viver a vida fútil que você vive. Difícil não? Sim! Quem disse que amar é fácil, conhecer pessoas novas com comportamento diferente do seu, criação diferente, de outra família, normal, ai esta o segredo de amar, escolhas, não escolha nada por que você se sente solitário, escolha aquilo que faz seu coração vibrar de forma diferente do que as batidas costumeiras que ele faz.
 
Então esquece essa de amar repentinamente, amar mesmo, o sentimento do amor, passa por desafios, e muitos por sinal, por sérios problemas. Amar durante o sexo todo mundo ama, quero ver na hora do aperto, se a reciprocidade valerá. O amor é uma palavra forte, de impacto, da medo, mas da mesma forma é a palavra mais bonita. Aposto com você que no final das contas você vai achar não quem estava procurando, mas sim, quem estava procurando você.

Luís Fernando Drecksler
bs.luis@hotmail.com

Luís Fernando Drecksler, brasileiro, reside em São Domingos, 23 anos, criador do blog Papo a 2, jornalista, escritor e narrador esportivo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.