"Que tocar Justin que nada!"


Elas vão de Scorpions, Judas Priest, Black Sabbath e muito mais! Nadia Vilares (vocal), Carol Dias (bateria), Camile Vilela (guitarra) e Érica Motta (guitarra) deram vida a banda Backstage Queens há quase dois anos, mais precisamente desde dia 27 de Dezembro de 2012 que a banda esta na estrada. A formação ficou completa nessa ultima quinta-feira dia 4 de Junho de 2015, com o convite que a banda fez a com a contrabaixista Jade Nogueira de apenas 16 anos. Não fiquem surpresos, pois a integrante com mais idade (Nadia) é dona de uma voz potente e tem apenas 18 anos.

O nome da banda, criado dias antes de sua primeira apresentação, vem carregado de uma rebeldia encontrada nos longos anos em que a mulher é excluída socialmente, politicamente, financeiramente e por que não enfatizar sua ausência ou a negação de sua presença na história musical. Pois se contarmos desde a aparição de Norte Americana Memphis Minnie como multi-instrumentista e cantora de Blues em 1920 até a data de nascimento da Backstage Queens, dará quase um século onde vários gêneros musicais surgiram e a mulher recebe pouco espaço. E isso se agrava mais ainda se olharmos cada gênero separadamente!

A ideia de montar uma banda só de meninas veio da guitarrista Érica Motta, “a princípio, já tínhamos vocal, guitarrista e baterista, precisávamos apenas da baixista e quando a encontramos ela sugeriu outra guitarrista foi assim que conhecemos a Camile e fechamos a formação”. E não, a formação não tem nenhuma relação consciente com a banda The Runaways, apenas as musicas que elas gostam de tocar precisam de duas guitarras, solo e base!

Em Dezembro desse ano a banda completará 3 anos de vida e desde o começo a propostas de cada uma tem sido as mesmas, afinidade e amizade fazem parte da evolução como pessoas e como musicistas mesmo estando em sua segunda formação. No dia em que estávamos juntos concordamos que para o trabalho em conjunto fluir bem é necessário deixar a vaidade que temos com nosso trabalho de lado e estar aberto a sugestões! Parece fácil, mas apenas isso requer uma tremenda maturidade. Lidar com seus anseios e vontades e respeitar os anseios, vontades e principalmente o tempo dos outros enquanto banda e jovens em época de vestibular não é mole não!

No dia 31 de Maio aconteceu a final do Festival “Girls n' Rock” no bar Manifesto. Em um processo eliminatório que começou no mês de Março e no meio de aproximadamente 32 bandas, a Backstage Queens subiu no palco e provocou euforia total no publico, rolou até bate cabeça.

A vencedora do festival foi uma banda nordestina chamada Mafalda Morfina, se vocês caros leitores, tiverem a chance de ver um show dessa banda ao vivo ou ao menos pelo youtube, vejam, não vão se arrepender! Destaque para a performance da vocalista!

Porém, para a Backstage Queens, fazer parte e entender a dimensão desse festival vai muito além de vencer ou não. “Pensei que não haveria muitas bandas inscritas, mas quando viemos para a primeira reunião e vimos na lista que tinha 32 bandas foi uma surpresa” relata Camile Vilela. É importante deixar claro que o festival abrangia não só bandas compostas unicamente por meninas, mas também contemplava bandas que tinham ao menos uma presença feminina na sua formação. Isso ajudou na quantidade de bandas inscritas? Sim, claro! Ao mesmo tempo em que mostrou para as meninas, a quantidade de mulher fazendo rock por ai a fora, que a mulher esta sim ganhando espaço no meio musical e o quanto a existência da Backstage Queens assim como outras bandas, é importante para afirmação feminina expressiva socialmente e politicamente que esta acontecendo.

Piadinhas desdenhando do potencial delas preconceituosamente pela figura feminina já foram feitos e relataram também a estranheza ao começarem a fazer aula dos instrumentos que tocam hoje por ser uma das poucas alunas se não a única dentro da sala. O fato é que elas respondem a tudo isso quando o som começa. Ouso dizer que o foco das meninas assim como o meu ao querer falar sobre elas é além de fazer o que lhes é prazeroso, é entender o que é fazer parte desse universo “Girls 'n Rock”. Janis Joplin, The Runaways, Rita Lee, Tarja Turunen e Backstage Queens, desde o surgimento do Rock em 1950 esses são apenas alguns nomes que fazem parte da libertação e equiparação feminina ao que julgavam ser feito somente por homens!

Com bases musicais como Neil Young, Freddie Mercury, Orianthi, John Bonham e seus próprios professores de música e fazendo covers de Deep Purple, Judas Priest, Metalica, Black Sabbath as meninas constroem sua própria identidade visual e mostram a que vieram, elas não estão de brincadeira! Em Dezembro de 2013 por intermédio do fotografo Marcelo Rossi elas se apresentaram em vários pockets shows no festival “Monsters of Rock” e de lá pra cara o reconhecimento da banda só aumenta.

Além de barzinhos, a banda já se apresentou no Anime Friends 2014, no autódromo de Interlagos e ainda no final do ano passado elas garantiram a participação em um programa da radio 89 dedicado a dar espaço a bandas independentes e com musicas próprias. Primeira vez que as meninas tocam a nível nacional.

O clipe da primeira música autoral que carrega o nome da banda “Backstage Queens” veio logo em seguida. Na musica elas contam como foi tocar em Ribeirão do Pinhal – Paraná, pela primeira vez fora de São Paulo. “Fomos muito bem recebidas, ficamos na casa do Neto, ele nem nos conhecia e nos recebeu muito bem” diz Camile Vilela.

A Banda faz parte do cenário musical independente, não há produtor por de traz da cortina, tudo o que elas já fizeram e ainda vão fazer e devido unicamente à dedicação das meninas. “Não acho um desafio ser uma banda independente! Acho que enquanto estivermos fazendo o que gostamos estaremos bem, e as coisas acontecerão. Antes de fazer música para os outros, temos que fazer música pra nós mesmos!” Diz Carol Dias.

Em entrevista, perguntei se elas já se sentem consolidadas na cena musical atual e a baterista: Difícil falar em consolidação, porque isso me remete a bandas que já tem experiência e um repertório próprio, não fazem mais covers. Talvez o que falte para nos consolidar é musicas próprias. Entretanto relatos de que as reconheceram nas ruas, em diferentes dias e lugares também foram ditos! Logo, a consolidação é algo que não esta tão longe de acontecer.

O tempo para criação ainda é pouco, todas estão estudando, algumas na faculdade outras no cursinho, mas elas já estão se organizando para compor suas musicas. Tive a oportunidade de vê-las trabalhando na segunda musica que esta quase pronta. Curiosamente as meninas compõem em inglês e depois traduzem as músicas para o português. Pergunto por que o processo ocorre dessa forma e as duas guitarristas respondem que para elas é melhor assim, a melodia parece se encaixa melhor que em português. Faz parte da identidade delas e talvez as músicas em português faça parte de algum projeto futuro. Quem sabe?

Pra quem quiser saber mais sobre a banda e ficar por dentro das próximas apresentações de um “jóinha” na pagina delas no facebook, curta, siga e compareça nos shows https://www.facebook.com/BackstageQueens

Ouçam as gravações no SoundClaud https://soundcloud.com/backstagequeens
E no youtube vocês encontram desde o VideoClipe https://www.youtube.com/watch?v=RhmovwQ-45Y até as apresentações da banda: Scorpions (Rock you like a Hurricane) https://www.youtube.com/watch?v=zroGi5aBjAo e muito mais.


Eu sou Henrique Santos, caso queira trocar uma ideia me escreva hickdesing@hotmail.com. A todo um grande abraço e até a próxima.

3 comentários:

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.