Escritoras estimulam imersão autoral no Workshop “A história que você precisa contar”

Conduzida por Adriana Calabró e Alana Trauczynki, a oficina que acontece dos dias 19 a 21 de junho promove uma imersão no autoconhecimento e nas técnicas de escrita para afirmar histórias que, de uma forma ou outra, precisam vir ao mundo.
Motivação, estruturação, inspiração e técnicas narrativas, como a Jornada do Herói, podem ser ferramentas úteis para que um escritor consiga estruturar suas ideias e contar sua própria história. As duas autoras, que também têm em seu currículo obras autobiográficas, trazem essas técnicas e estimulam os participantes a fazer uso delas.Mas não é só isso. A proposta é que todos os envolvidos se beneficiem não apenas contando suas próprias histórias, mas também ouvindo a dos colegas emjornada literária compartilhada. Quem já passoupelo processo intensivo se desprendeu de julgamentos, partilhou e se inspirou com as experiências mútuas: https://www.youtube.com/watch?v=jLPtpUCvXUQ.
Além de escrever, Alana incentiva osparticipantes de suas palestras a “encontrem seu propósito”, trilhem caminhos próprios, descobrindo o que cada um faz de melhor para, a partir daí, se realizar com isso. Os textos, roteiros e conteúdo online que cria se alimentam de 13 anos de viagens, moradia em 5 países e 17 cidades diferentes que ela tem na bagagem. Sua formação é Turismo e Hotelaria, extensão em Marketing e RP. Alana passou por TV, revista e Internet, se especializou em storytelling eescreveno Nômades Digitais, projeto do Hypeness. É autora do livro “Recalculando a Rota” e conduz o “Programa Recalculando a Rota” pela internet, para todo o Brasil
Adriana Calabrótem diversas obras publicadas e é especializada em técnicas de escrita e expressão criativa. Seus prêmios em comunicação e literatura, incluemBest of Bates International, Livre Opinião,João de Barro e Off-Flip. Faz parte do espaço Grupo Beco dos Escritores há quatro anos, no qual estuda e fomenta literatura. Orienta escritores profissionais ou iniciantesem seu Coach de Escrita e realiza a Oficina de Escrita Criativa Palavra Criada há uma década.
Se você tem uma história pulsando, pronta para vir ao mundo, essa é a ocasião para um final de semana literariamente inesquecível! O investimento deR$ 665 pode ser parcelado em duas vezes de R$ 340. Para mais informações, escreva paravoceprecisacontar@gmail.com ou ligue para 992999947. O curso será na rua Mário de Alencar, 222 – Vila Madalena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.