Café Literário: Para quando eu for feliz de novo



Quando eu for feliz de novo, eu não quero a exatidão de nada; eu quero a subjetividade da felicidade mais simples; eu quero o cheiro do café preto assim que o dia amanhecer, mesmo que eu não goste de café... Quando eu for feliz de novo, não mais me 'pré-ocuparei' com o futuro, vou me permitir viver um dia de cada vez; vou rir da piada mais idiota, e cantarei todas as minhas músicas a plenos pulmões! Quando eu for feliz de novo, a complexidade da vida será simples diante mim; não haverão rédeas para me prender em um passado já passado e nem em um futuro que ainda virá (com a permissão desses pleonasmos, licença poética.); e as coisas serão tão belas como quando uma criança ganha sua primeira bicicleta. Quando eu for feliz de novo, eu quero ser simples, a mais simples de todas as pessoas, sem me preocupar com status social ou riqueza financeira; eu quero comer feijão, arroz, bife e batata frita, porque essa sim é a melhor comida do mundo. Quando eu for feliz de novo, eu prometo visitar minha Vó com mais frequência; aliás, eu prometo ser mais frequente na vida das pessoas que eu amo; sabe por quê? porque eu quero dividir minha vida com eles. Quando eu for feliz de novo, eu quero voltar a chorar nos finais dos filmes de romance, e imaginar como seria a vida se eu tivesse um alguém; porque isso é simples e puro, e eu quero voltar a ser assim quando eu for feliz de novo. Quando eu for feliz de novo, a existência será plena; viverei apenas o dia de hoje, como se este fosse meu último dia de liberdade; e aliás, eu quero ser livre! Quando eu for feliz de novo, pegarei um ônibus sem destino, cortarei o sertão adentro, desbravando esse mundão de meu deus, aceitando qualquer pessoa que cruze o meu caminho como um professor, e aprenderei com cada um deles a ser uma pessoa melhor! Quando eu for feliz de novo, eu quero ser uma pessoa melhor para mim mesma, ser mais positiva quanto a minha existência; manter meus velhos amigos e ter novos amigos; eu quero aproveitar todas as oportunidades que a vida me oferecer. Quando eu for feliz de novo, espero me arrepender do que eu fiz, e não do que eu deixei de fazer; eu quero ser útil. Quando eu for feliz de novo, qualquer lugar onde esteja todas as pessoas que eu amo será o melhor do lugar do mundo, e eu vou sempre preferir estar ali; aliás, quando eu for feliz de novo, eu espero que todas as pessoas no mundo sejam felizes também, que elas possam amar e serem amadas (se quiserem começar de agora, podem ser felizes sem mim, eu não me importo, desejo amor a todos vocês, agora e sempre); e que eu na minha humilde posição de reles mortal possa ajudar a todos que estejam ao meu alcance, sem distinção de qualquer natureza. Quando eu for feliz de novo, eu quero agradecer a todo mundo que me fez ser feliz de novo; a tudo de bom que terá acontecido em minha vida; as forças ocultas do universo que me trouxeram a luz novamente, porque eu acredito no universo. Quando eu for feliz de novo, eu quero dormir o menor número de horas possíveis, só para eu ter certeza de que eu sou feliz acordada, de que eu também posso ser feliz igual a todas as outras pessoas. Quando eu for feliz de novo, eu vou ler todos os meus livros que estão acumulados; assistirei todos os meus filmes e seriados, escutarei todas as minhas músicas, sem me preocupar se eu estou perdendo tempo de minha vida. Quando eu for feliz de novo, eu sempre vou sair de casa com meus amigos, nunca mais vou recusar seus convites, vamos beber a noite inteira como os bons amigos sempre fazem, eu prometo! Quando eu for feliz de novo, eu espero que ainda haja tempo para eu ser jovem. Quando eu for feliz de novo, já vou ter passado no vestibular, e nada mais me deixará com tanto medo, e por isso enxergarei a vida de forma mais branda. Quando eu for feliz de novo, meus traumas parecerão nada perto de minha felicidade, porque eles já vão ter sumido da minha vida. Quando eu for feliz de novo, eu vou abraçar meu melhor amigo.
Quando eu for feliz de novo, eu apenas quero ser feliz... de novo!
Samara Machado
  
Olá a todos, sou Samara Machado, tenho 20 anos, vestibulanda de Medicina (por enquanto), moro em Salvador-Ba e sou uma 'pseudoescrita' ainda. Comecei a escrever em meados de 2010, e de lá pra cá não parei mais. Tenho verdadeiro fascínio pela escrita. Estou aberta para debater sobre quaisquer temas, no entando, prefiro escrever sobre a realidade do meu dia a dia. Abraços, e até o próximo texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.