Café Literário: Nova Terra



... E finalmente nós vamos embora. Vamos embora para um lugar que não é nosso; um lugar distante do nosso universo 'berçal'... Apenas chega um raio de sol da manhã, e vamos embora.
As vezes é porque queremos ir, mas outras é porque a vida nos obriga a ir - quem sabe até sejam as duas coisas...
E então é tão difícil romper nossos laços; os laços que se aglomeraram, e, em junção, formaram o primeiro estágio de toda uma vida - não que você vá embora para sempre ou morra, mas alguns laços serão rompidos sem que nos demos conta -.
Quando saímos de nosso Chão para pisarmos em outros chãos, todo o medo do mundo se concentra no órgão mais sincero do ser humano: o Coração. Não é que eu esteja falando sobre ventrículos, átrios, artérias, veias ou nódulos sino-atriais, quando me refiro ao Coração dessa maneira tão simples e profunda, na verdade eu estou falando de Alma. Da Nossa Alma.
Antes de partirmos, pensamos em coisas ruins, e em coisas boas... Pensamos se vamos conseguir, ou se vamos fracassar... Pensamos que talvez seja cedo demais para ir embora, ou que talvez seja tarde demais para isso... Pensamos um cem mol de tantas coisas, tentando prever um futuro que nunca havemos de saber sem antes vivê-lo.
E então partimos. Com ou sem medo, mas partimos. Alguns, entretanto, se perdem no meio do caminho e retornam, felizes ou não, para o seu chão. Mas, bravos andarilhos iguais a mim e a outros tantos, seguimos a jornada de habitarmos um lugar que não é nosso, onde nosso único objetivo é Vencer (deixo a palavra 'vencer' entreaberta para quem quiser descrevê-la ao seu modo, pois no dicionário de qualquer um, 'vencer' terá significados diferentes, e não cabe a mim nem a ninguém julgá-los).
...
A ruptura inicial é um tanto sofrida para a maioria, mas daí o tempo passa e a gente se adapta ao meio. Alguns se adaptam tanto que redescobrem que aquele Novo Chão sempre fora o seu Chão. E que o chão de antes servirá de apenas reencontros passageiros, vez ou outra, durante o ano, ou durante a vida.
Ir embora não é fácil, não é cômodo, ainda mais quando se vai embora sozinho. É como se você tivesse que refazer toda uma vida: uma nova casa, novos amigos, novos vizinhos, novo trabalho, novos estudos... Tudo novo! (e tudo que é novo dá medo) Romper uma vida já estabelecida, para tentar um futuro incerto em busca da 'vitória' é trabalho árduo, trabalho duro, é trabalho de quem tentou ser alguém na vida; de alguém que saiu da sua zona de conforto e foi em busca do 'algo mais', ou de alguém que simplesmente foi atrás da sua Zona de Conforto!
Quantos abriram os braços e foram? Quantos desistiram? Quantos Continuaram e Continuarão? Quantos choraram lembrando de suas famílias? Aliás, quem nunca foi embora e nunca chorou? E quando o coração aperta de tanta solidão? E quando dá saudade? Quando chove e fica tudo úmido dentro da sua alma? Quando a única escolha é ficar e continuar o próprio destino? Quando é só dor? Quando é só cansaço? Quando você não aguenta mais a vida que leva? Quando a maré te leva e você se dá conta que com força ou sem força você tem que atravessar a correnteza? Quem disse que seria fácil? Quem? ...
Mas, e quando Vencemos? Tudo, tudo, tudo, terá valido a pena? Acho que sim, sabe por quê? Porque ir embora em busca do sonho é Crescer, vencendo ou não, quem se arrisca num novo mundo em busca de algo melhor, já é um vencedor.
Mas, e quem fica, é um grande LOSER? Não, é que eles já nasceram no seu Chão, e se arriscar em outros Chãos talvez não os fizessem felizes (havemos de entendê-los). Obviamente, há exceções. Outros tantos que ficam ou voltam para o seu chão, carregados de fracassos, declaram uvas verdes a si mesmos e findam a vida sem gozar, vez ou outra, de uma felicidade plena, que só quem é um Vencedor pode sentir.
E quem não puder ir embora fisicamente, que faça igual Bandeira, crie sua Pasárgada e se mude para lá. É onírico, eu sei kk, mas também é uma forma de encontrar o seu Troféu quando o seu corpo, por um motivo ou outro, não pode se transportar para outro lugar.
Entretanto, há quem não precise ir a lugar algum, porque já nasceram no berço do 'algo a mais'. Não por sua própria culpa, mas é infinitamente triste saber que eles nunca saberão Vencer sem ter que romper laços e criar um Novo Chão para sua existência (deixo claro que há exceções).
"É muito difícil ir embora – até você ir embora de fato. E então ir embora se torna simplesmente a coisa mais fácil do mundo." cidades de papel

P.s.: No final de tudo, podemos voltar e viver no nosso Chão, não como um loser fracassado, mas como um vencedor que trouxe Glória a sua Terra.

Samara Machado
  
Olá a todos, sou Samara Machado, tenho 20 anos, vestibulanda de Medicina (por enquanto), moro em Salvador-Ba e sou uma 'pseudoescrita' ainda. Comecei a escrever em meados de 2010, e de lá pra cá não parei mais. Tenho verdadeiro fascínio pela escrita. Estou aberta para debater sobre quaisquer temas, no entando, prefiro escrever sobre a realidade do meu dia a dia. Abraços, e até o próximo texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.