Café Literário: Mulher para casar


Toda mulher se acha mulher para casar. E toda mulher é, de fato, mulher para se casar. Você pode ter quinze, vinte, trinta, quarenta anos. Haverá um momento em que você vai desejar casar. Vai desejar casar como também um dia desejou somente ficar. Como um dia desejou somente paquerar, flertar de longe. Como um dia desejou ficar trancada em casa, chorando as lágrimas daquele amor inútil e não correspondido. Do mesmo jeito que pôs aquela saia curta para sair depois de se recompor, a pedido das amigas. Você vai desejar casar um dia como quando, muito pequena, acreditava em conto de fadas. Como quando roubava as roupas da sua mãe e desfilava com seus saltos pela casa. Como quando beijava vários caras na balada. Você vai desejar casar um dia, como quando também torceu pelo seu time favorito, desejou aquela viagem afobadamente, ou aquela camiseta que jogou fora no dia seguinte. Você vai desejar como também desejava ser pedida em namoro. Como desejava ter um cachorro. Ou um gato persa. Qualquer bichinho que te desse muito amor. Como você sempre sonhou com uma casa, cheia de apetrechos e decorações, um closet só seu. Vai desejar como também desejou um dia poder beijar aquele artista famoso maravilhoso na boca em todas as vezes que sonhou com ele e encheu seu quarto de pôsteres. Vai desejar casar como também desejou, por mais de um dia, ser como aquela garota perfeita que você via nas revistas e comerciais de TV, que na verdade, no fundo, só queria ser como você. Vai desejar como desejava pular no pescoço daquela piranha que dava em cima do seu namorado, mas que depois descobriu que, no fundo, era ele quem dava em cima. Vai desejar casar como também desejou jogar seu salto em sua cara, mas agüentou porque tinha dó de estragar o sapato novo com um traste daqueles. Você vai desejar casar, como também desejava ter sentido menos ciúme da pessoa que amava, ou dado a devida atenção àquele cara que verdadeiramente se interessava. Você vai desejar casar. E desejar isso profundamente. Eu te desejo isso também, mas olhe lá quando for escolher o seu príncipe. Seja cautelosa, vá com calma. Lembre-se que também são sapos de vez em quando, da mesma forma que nós somos pererecas. Neste dia, vá muito, muito devagar. Quando souber que ele for, de fato, para casar, se case. E comemore muito, escolha um vestido maravilhoso. Não economize em nada na sua felicidade, e compreenda que tudo será esplêndido, até chegar as briguinhas que virão depois, na vida a dois. Essa será a tua vida, (maravilhosa se tu souberes escolher bem o teu mais príncipe do que sapo), e com alguns desconcertos, que será absolutamente normal. Nessas horas, vou desejar profundamente que um complete o outro, em suas imparcialidades. A vida não é conto de fadas. Você vai desejar isso como também deseja todas as outras coisas, e como sempre vai continuar desejando. Por que nosso ego, na verdade, nunca está satisfeito. Um dia você também vai desejar ter filhos. E depois disso, a felicidade dos teus filhos. Teus desejos vão mudar um pouco. Você vai desejar muito mais por eles agora. Os sonhos deles serão os teus, e talvez você até rebobinará a fita um pouco, e se divertirá ao lembrar de como se preocupava com coisas tão bobas e desprezíveis, como seus filhos o fazem agora. Mas você vai sentir falta disso. Vai ver como o tempo passa sem que você se dê conta. Agora você estará folheando o álbum do seu casamento, e verás como você sonhava, e em como você conseguistes realizá-los simplesmente por sonhar e ir atrás. Tudo foi uma questão de tempo. O tempo chegará para todos. Mas, muito provavelmente, você ainda vai sonhar com a casa na praia. Vai admirar em segredo aquele ator de Hollywood, ou até mais fácil, aquele seu vizinho charmoso. Você casou, mas ainda vive os mais diversos sentimentos. Você é uma adolescente por vezes, mas seu corpo é de mulher. Você se olha no espelho, e já não verá aquele rosto puro e liso, mas algumas ruginhas, um sorriso sincero e muitos, muitos aprendizados. A vida é uma mutação constante. Você vai ver que a vida vai passando, e se apavora ao ver que as crianças que segurava no colo, hoje já estão grandes, e têm o mesmo dilema que você tinha um dia. Você se verá dando conselhos aos outros, quando há pouco tempo atrás, você não queria ouvir os dos seus avós. Mas você sempre se lembrará de como foi bom casar. Chegará a idade, e as rugas, que já te incomodavam um pouco, vão aumentar. Você está envelhecendo, o tempo passou rápido demais. Você já não é adolescente, mas ainda olhará para aquela roupa de menina e se verá dentro dela rodopiando. Você já casou, já teve filhos e já passou dos sessenta, mas ainda verá os sonhos na irís dos seus olhos, naquele filme romântico, no beijo que você sempre desejou dar naquele artista, mas que seu marido presenteou-lhe com um muito melhor. E você sorrirá disso tudo: sim, definitivamente, você foi uma (baita) mulher para casar.

Vanessa Preuss

Vanessa Preuss tem 22 anos, nasceu em São João do Oeste, mas mora desde os 5 anos em Tupandi, cidade pequena distante 87 km da capital Porto Alegre. Publicou "A Garota de Greenwich" pela Editora Buriti. "Sempre tive contato com a escrita e minhas primeiras histórias foram escritas em sala de aula, no silêncio do quarto à noite, nas horas vagas da adolescência. Aos 17 anos me tornei colunista em um jornal local e desde então tenho colaborado com três deles. Estudei jornalismo durante 3 anos, atuei como repórter, escrevo para o site online Donnatune e mantenho uma página na rede social do facebook semanalmente desde janeiro de 2014. Trabalho como secretária e auxiliar administrativa em uma empresa que atua no segmento de embalagens plásticas, e nas horas vagas, vendo e escrevo diariamente, por amor e hobby, o que me inspira a seguir a profissão de escritor".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.