Jazz Nacional, por favor!

O que você conhece sobre Jazz nacional?


Com certeza sua noção de Jazz vem das influencias Afro-Americanas do inicio do século XX, vivemos as musicas de Ray Charles tocadas como trilha sonora dos filmes hollywoodianos e o auge de Amy Winehouse, certo! E o que você conhece sobre o Jazz que é feito em terras tupiniquins?

Um Jazz por dia é um projeto peculiar e único que se propõe e se dedica a divulgar diariamente um Jazz Nacional. A ideia começou quando a Bióloga Sarah Teodoro percebeu que sua rádio preferida em relação à música nacional só tocava bossa nova, impulsionada pela crença de que o jazz produzido no Brasil é mais do que os ritmos imprimidos na bossa nova, ela criou o blog “#UmJazzPorDia. No inicio Sarah trabalhava sozinha, incentivada por amigos.

Em pouco tempo mais de 90 nomes foram divulgados, mostrando ao Brasil o que esta acontecendo musicalmente em seu território. O blog que esta há um ano no ar ganhou notoriedade, volume, forma e tornou-se um coletivo. Segundo Fernanda Mendes (uma das cinco mulheres que compõe a equipe do Blog), a procura pelo jazz nacional começou com buscas que o próprio coletivo fazia hoje essa procura ainda existe, o contato com outras pessoas ficou muito maior, e o coletivo recebe mensagens nas paginas de redes sociais de pessoas falando sobre algum projeto musical ou pedindo para divulgar shows.

O núcleo da equipe é formado por apenas um rapaz mais cinco garotas que se conhecem desde o tempo de faculdade, formadas em áreas diversas.  Uma delas hoje mora na Europa o que pode indicar possivelmente futuras coberturas de eventos por lá. “Temos colaboradores de outros estados também como, por exemplo, o Rio de Janeiro e a Bahia” afirma Fernanda Mendes. Sem duvida essa amizade de longa data entre os integrantes do coletivo faz parte da receita que deu certo quanto à ideia em prática, o comprometimento e os resultados final.

Boa parte dos Artistas citados no blog dá algum tipo de retorno. E hoje devido à proporção que o blog Um Jazz Por Dia tomou, casas de shows especializadas em Jazz selaram parcerias com essa turma, que por sua vez também atua em eventos.

O pessoal do site Sopa Cultural escreveu a pouco sobre o Um Jazz por Dia, e na ocasião, iniciou-se o texto com a seguinte frase “o que é capaz de fazer um blog de jazz sem pretensões em uma plataforma querida por casas de shows, compartilhadas por artistas do gênero e seguida por mais de 6.000 pessoas em menos de 10 meses?”, não faço a menor ideia de como isso aconteceu, mas acho que acreditar na potencia artística diante de um cenário cultural consolidado e não aceitar tudo o que nos é mastigado seja um bom começo.

Pra quem não conhece o Um Jazz Por Dia deixarei ai alguns links


Eu sou Henrique Santos, pra quem quiser entrar em contato, hickdesing@hotmail.com. Grande abraço e até a próxima.

Um comentário:

  1. Show de bola, Henrique! Parabéns pela matéria! Há que se valorizar a produção nacional, sempre!

    ResponderExcluir

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.