Café Literário: Verde-Louro Brasileiro




País amado,
Chamado de arcaico, pobre e vil,
Continuas sendo o meu Brasil.

Terra de maleável mangue
Da qual Deus me fez
Pátria - Nação - homem!
Santo lugar que guarda minh'alma
Na união dos muitos "vocês".

As flores caem
Tal qual uma chuva refrescante
Tirando da terra nosso aroma:
Um caminhar constante
A beleza que nos emociona
Extenso campo verdejante.

Muitos podem suportar a saudade
Mas meu ser não quer olvidar
Sentimentos belos, fotos e amizade
Que nos unem nesse mútuo gostar.
Na glória mais pura sinto a afinidade,
A que nos faz com o Cruzeiro do Sul sonhar,
Com os dias de nossa idade
Repletos com o meu anseio de a ti cantar.

Onde podemos ter frutíferas colheitas
Repousa o meu sonho de viver aqui.
Venho falar-te coisas perfeitas:
O meu Goiás já fala heroico cariri.

A data venia de qualquer permissão
Leva-me a compreender
Como é bom aqui viver!

Canto a ti, terra de meus pais
Mesmo que teu lábaro não seja ostentado,
Brilho no teu brilho,
Toco os teus recitais.
Como te quero, meu Brasil amado!

Hoje sei que sou meio ava-canoeiro.
A Bandeira que liberta meu tédio vil
Pode resolver problema corriqueiro:
Minha terra jamais me puniu.
Temos o sangue tupi brasil.

Sejamos o belo índio Goiá,
Ser de pedra, petrificado em monumentos
Que refletem o amor que não há
Entre as pessoas dos amargos tempos.

O Brasil é de mares e lagoas,
De terras e serras,
De ventos e Sol de verão,
Meu templo de exaltação.
Àquele que aqui vive,
Brado com regozijo:

Do verde-louro brasileiro
Jamais me fiz estrangeiro
O antigo Goyaz
Devolve-nos a paz.

E da forma que te chamo rosa,
Flor, cana, luz, pátria formosa
Rezo uma nova e bela canção
Que segue as batidas do meu coração!

Marcelino Taveira da Silva

Nascido em Goiás, na cidade de Goiânia. Possui licenciatura em Pedagogia; é professor, poeta, contista e palestrante; trabalha com desenvolvimento humano. Autor do livro “Verde-louro brasileiro” (2012). Possui dezenas de textos publicados em diversas coletâneas, no RJ e em SP. Poesias, Canções, Causas e Ilusões caracterizam suas obras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.