Profissão? Escritor.


Pra muita gente, escrever é um hobby. Falei sobre essas atividades esporádicas que nos ajudam a levar a vida adiante no texto sobre Tolkien aqui, e não quero considerá-las agora. O que venho expor é justamente o contrário: quando algo passa de hobby à categoria de profissão.

É extremamente difícil encontrar a fronteira entre o prazer e o dever, e muita gente prega que ela não deve existir. Afinal, nada melhor que fazer sua obrigação sentindo-se feliz com isso, certo? Alguns hobbies se transformam de meros passatempos a ganha-pão de muita gente, mas poucos conseguem explicar quando e como isso aconteceu. Normalmente o tempo gasto com um hobby vai crescendo tanto que você já não o vê mais como uma ação casual ou acidental. Ela se torna parte da sua rotina, consome seu tempo e, se você batalhar muito, começa a te render os mesmos frutos que seu "emprego oficial" lhe concede: lucro financeiro.

Transformar a escrita como hobby em ofício remunerado não é fácil nem simples. Talvez seja até mais difícil que muitos outros outros passatempos, já que não temos a cultura de pagar para que alguém escreva algo, não é verdade? A maioria dos escritores, pelo menos os brasileiros, tem uma "segunda profissão", ou aquela que eles chamam de "oficial", a que colocam em formulários, na declaração do Imposto de Renda, etc. Eu mesma me encaixo nessa categoria: sou oficialmente professora. O que muita gente confunde, porém, é que ter duas (ou mais) profissões não quer dizer que a escrita não faça parte delas.

Sou professora e escritora, sim. Vivo com as duas coisas, isso quer dizer que pago as contas com o dinheiro que recebo de ambas as atividades remuneradas.

Foi difícil chegar até aqui? Sim, demais. E ainda é. Mas isso não quer dizer que tenho que me desvalorizar para seguir em frente.

Vejamos um exemplo: você que tem seu emprego numa empresa qualquer, levanta cedo todos os dias, pega o transporte público, bate cartão, faz hora extra (sem querer, na maioria das vezes), e recebe no começo de todo mês depositado na sua conta lá os seus vencimentos pelos dias trabalhados. Você alguma vez já pensou em fazer o contrário? Em pagar o seu chefe pelo seu trabalho? Acredito que não, né?

Você é pago pela função desempenhada, pelas atividades que faz e pela contribuição que gera ao seu trabalho, não é verdade? Por que deveria ser diferente com um escritor?

Ora, eu passo talvez muito mais horas do meu dia me dedicando à escrita que ao meu trabalho "oficial". Em alguns casos, talvez a contribuição que o autor gera à sociedade seja muito maior que a que ele gera para o bolso do seu chefe... Já parou pra pensar nisso?

Por que eu não devo receber pelo tempo, dedicação e função de escritor(a)?

Não estou dizendo que não podemos escrever "de graça" - se fosse assim, nem redação de colégio deveria ser não-remunerada, mas aí que se encontra a diferença do hobby e da profissão. Tem gente que não se importa de passar horas doando seus textos para portais de notícia, para blogs, para "jornalistas" reproduzirem sem os devidos créditos... Eu não consigo entender porque alguém que trabalha com as palavras não aceita ser pago por elas. É a lógica, não é?

Então se você tiver a oportunidade de contribuir financeiramente com o(a) autor(a) de qualquer coisa que você esteja lendo, faça! Esse é o ofício dele(a), e infelizmente não paga todas as suas contas porque ninguém entende isso! Incentive seu autor(a) favorito, compre seus livros, pague por seus textos e artigos, e por tudo que lhe é mais sagrado: não pirateie.

Se alguém roubar seu serviço de você e seu chefe te dispensar, você não vai receber seu salário no fim do mês. A lógica é a mesma, fica a dica.


Artigo escrito por
Mineira de 20 e tantos anos, analista internacional por formação, professora por profissão e escritora por paixão. Propagadora de cultura alternativa, queer e fantástica. Trabalha na introdução de literatura colorida na vida das pessoas, é dona do Marcado com Letras e autora dos best-sellers da Amazon "Império Esquecido" e "A Última Festa".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.