Oficina aproxima jovens da obra de Mário de Andrade

Autor homenageado da 15ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto é tema de atividades nas escolas de Ribeirão Preto


Há 70 anos o Brasil perdia um de seus maiores escritores, Mário de Andrade, autor do eterno “Macunaíma” e que nesse ano de 2015, será intensamente lembrado, ao ser um dos homenageados em dois grandes eventos literários do país: a FLIP – Feira Literária de Paraty – no Rio de Janeiro e a 15ª. Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, que acontece de 14 a 21 de Junho.

Antes disso, os alunos de Ribeirão Preto terão a oportunidade de conhecer mais de perto a obra de Mário de Andrade. A oficina “Assim é o meu Brasil”, que segue até o dia 2 de junho em cerca de 20 escolas da cidade, visa aproximar o público jovem e a obra do autor de “Paulicéia Desvairada”. Nela, os jovens das várias escolas públicas, são convidados a participarem de uma experiência interessante: olhar o Brasil a partir da obra de Mário de Andrade.


Com atividades lúdicas e dinâmicas ministradas por arte-educadores capacitados, a proposta é refletir sobre a essência do Brasil. No final, será feito um registro contendo o olhar de cada participante sobre o Brasil e o espaço que vive.  A expectativa é que ao final das atividades, cerca de 2.800 alunos tenham participado e conhecido melhor esse grande escritor brasileiro.

Mário de Andrade inovou na escrita e nos temas de sua obra. Por isso, a Fundação Feira do Livro trabalha com uma programação densa e especial nessa 15ª Edição da Feira em que o homenageia. Assim, já está acontecendo uma série de oficinas e um ciclo de palestras sobre a escrita de Mário Andrade para os alunos da rede pública de ensino de Ribeirão Preto.

Relevância - A obra de Mário de Andrade tem relevância nos quatro cantos do país. Um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna, ele abriu caminho para uma geração que cravou de vez características regionais dentro da literatura brasileira. É por conta do esforço de Andrade e sua turma de 1922 que o país passou finalmente a ter uma escola estritamente nacional no campo das artes. Ou seja, a influência antes direta de culturas européias passou a ser secundária.

Especialista - Para a 15ª. Edição da Feira do Livro de Ribeirão, está confirmada a participação do Mestre em literatura e especialista em Mário de Andrade, Jorge Miguel Marinho, que falará do processo criativo do livro “Te dou a lua amanhã”, romance que trata de aspectos relevantes da vida e da obra de Mário de Andrade, dando especial destaque para o traço profundamente humanizador do poeta autor de Macunaíma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.