É tão estranho... os bons morrem jovens

 
Ficamos órfãos, mais uma vez. Foi assim que me senti quando recebi a notícia da morte de José Wilker, e também quando se foram Reginaldo Rossi, Chico Anísio, e Canarinho. Wilker se foi, mas deixa profundas marcas na cultura e teledramaturgia brasileira. Extremamente polivalente, atuou como ator, diretor, narrador, apresentador e crítico de cinema, tendo começado a carreira como locutor de rádio. Viveu personagens marcantes na TV e no cinema, como Vadinho, de Dona Flor e Seus Dois Maridos; Roque Duarte, da novela Roque Santeiro de 1985, e o coronel Jesuíno Mendonça, no remake de 2012 da novela Gabriela, de Jorge Amado. Inesquecível também é a sua narração na minissérie “A Vida como ela é”, adaptação de diversos contos de Nelson Rodrigues. 

Wilker morreu jovem, aos 66 anos de idade. Era um menino, assim como Paulo Goulart, outro ícone da TV brasileira, que morreu aos 81. Goulart também era dono de uma voz inconfundível, e da mesma forma que o eterno Giovanni Improtta, também começou a carreira como locutor de rádio. Aliás, isso era muito comum, tendo em vista a popularidade do rádio e os primeiros passos da TV no Brasil. Pode se dizer, sem sombra de dúvidas, que Goulart e Wilker fizeram parte de um time que formou a televisão brasileira, ao mesmo tempo em que se formavam como profissionais. 

Já Renato Russo, foi ícone de uma geração inteira, aclamado como o poeta do rock. Autor de letras extremamente politizadas – algumas poéticas em certa medida – criticava profundamente a sociedade brasileira, além de tratar de amor, esperança e amizade, dos sonhos e dramas dos jovens. E por causa disso tudo, sua obra se tornou atemporal, afinal juventude ainda sofre, o Brasil ainda precisa ser criticado, e precisamos cada vez mais amar como se não houvesse amanhã, lembrar que o caminho é um só... Renato continua, assim, conquistando admiração dentro e fora do país, mesmo após sua morte precoce aos 36 anos. Se estivesse vivo, completaria em 27 de março, 54 anos e para comemorar a data foi lançado seu primeiro site oficial, www.renatorusso.com.br, incorporando também o portal www.legiaourbana.com.br. Uma pena que a homenagem esteja sendo motivo de problemas com os ex-integrantes da banda, Marcelo Bonfá, e Dado Villa Lobos que alegam dificuldades em usar livremente a marca Legião Urbana e criticam a forma como Giuliano Manfredini (filho do Renato) administra seu legado. 

Morreram jovens, Russo, Goulart e Wilker. Partiram da mesma forma como chegaram, de repente, sem pedir licença. E quando eu digo que eles se foram cedo demais, não é nenhum deboche ou demagogia, independente de terem 36, 81 ou 66, acredito que teriam ainda muito que ensinar, muito que emocionar. A admiração não é simplesmente pela obra que deixaram, mas pelo exemplo. Todos eles serão lembrados pela dedicação ao seu trabalho, eles amavam o que faziam, e quando se põe o amor à frente de tudo, o resultado só pode ser bom.
A impressão que eu tenho é que os nossos ícones estão acabando, sem peças de reposição. Esses caras eram o norte, a referência no que faziam e... quem fica? Quem são os novos “Wilker”, “Goulart” e “Russo”? Mas se pelo menos eles não deixaram substitutos, deixaram a receita: “meu filho, é assim que se faz...”. 

George dos Santos Pacheco
pacheconetuno@oi.com.br

* Publicado na Revista Êxito Rio, em 10/04/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.