Autores & Livros: "Na Linha da Loucura", livro de estreia do autor Cristian Hruschka


A leitura de “Na Linha da Loucura” constitui uma caixa de surpresas. É que a novela de Cristian Luís Hruschka, no aspecto formal, revela um escritor feito e que domina seu instrumento de trabalho sem incidir nos notórios defeitos comuns aos iniciantes. Embora este seja seu livro de estreia, mostra que o autor vem se exercitando de muito tempo na difícil arte da escrita literária. A impressão que fica é a de que ele escreve com facilidade e o texto flui de maneira livre, com aquela naturalidade de quem sabe com precisão o que e como deseja dizer. O estilo é simples, límpido e direto, sem rebuscamentos desnecessários.

A história se desenrola numa sequência de surpresas.  Cada tópico contém, por assim dizer, algum imprevisto que provoca impacto no leitor e atiça sua curiosidade, prendendo-o na leitura, até o final. E nisso se revela a criatividade do autor. Os fatos reais e os imaginários se cruzam e entrecruzam, às vezes no mesmo plano, em outras bem definidos, mas sempre de maneira envolvente e sem cortes bruscos ou hiatos que possam diminuir o interesse pela narrativa. E assim transcorre a curiosa história, do começo ao fim, num texto bem construído e observando um desenvolvimento lógico até o inesperado desfecho.

Outro aspecto a merecer destaque é a pintura dos ambientes onde se desenvolvem certas cenas da narrativa. É admirável a fidelidade com que o autor reproduz o clima asfixiante que reina no meio sórdido da jogatina e das atividades criminosas que costumam cercá-lo. Faz o leitor ansiar pela mudança de local, procurando um meio em que haja ar puro e luminosidade que afastem a sensação opressiva de iminente perigo. É com visível alívio que vence essa etapa da narrativa, tal como o sente o personagem nela envolvido e como pretendia o autor.

Também os personagens são desenhados com perícia, tanto aqueles que não estão envolvidos no crime e na violência como os que penetram nesse meio à revelia. São figuras debuxadas em poucas linhas, cujas características pessoais vão surgindo ao longo da narrativa. Certos indícios, a exemplo das manchas de sangue no jaleco do médico e a cicatriz na face de um dos jogadores parecem assinalar o caráter criminoso e repulsivo de certas figuras. Funcionam como marcas profissionais. Enquanto isso, o personagem central constitui o retrato da perplexidade e da impotência diante da situação absurda que o envolve de maneira invencível e contra a qual se debate na triste solidão da qual ninguém pode tirá-lo.

A leitura da novela de Cristian Luís Hruschka é uma experiência envolvente, levando o leitor a viver com intensidade cada um de seus momentos e conduzindo-o a um desenlace inesperado e impactante que, sem dúvida, permanecerá indelével na memória. Vale a pena.

Enéas Athanázio

Na Linha da Loucura é um lançamento da Editora Minarete/Legere

Sobre o autor:

Cristian Luis Hruschka (1975) é catarinense, advogado e escritor. Com participação em diversas antologias e suplementos literários, lançou seu primeiro livro, "Na Linha da Loucura" (Minarete/Legere), em novembro de 2014. Contato: clhadv@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.