Para crianças que leem

A Pequenina e o Fantástico Baile Estelar, novo livro de Tael de Araújo, pergunta aos pequenos leitores: você está disposto a lutar pelos seus sonhos?


Certa noite, Tael de Araújo, pseudônimo do escritor goiano Israel Teles, percebeu que sua filha observava atenta o móbile, com a lua e algumas estrelas, que girava sobre seu berço ao som de uma melodia. Foi quando surgiu a ideia, que alguns meses depois resultaria no livro A Pequenina e o Fantástico Baile Estelar, lançado recentemente em formato e-book.

A obra, voltada ao público infantil, conta a história de Zazá, que do seu berço observa a noite pela janela de seu quarto, enquanto tenta descobrir um jeito de alcançar a lua e as estrelas. Sem encontrar uma solução, mas sem desistir do que quer, a pequenina acaba adormecendo, e é sonhando que consegue o que parecia impossível até então: Zazá adentra um salão, onde a lua e as estrelas a recepcionam e a convidam para um fantástico baile estelar.

As ilustrações da obra, também de autoria de Tael de Araújo, possuem traços simples, nada perfeccionistas, que se aproximam e criam uma identidade imediata com o leitor, que reconhece seus próprios traços nos traços do autor.
 
Interessante também a forma como Tael de Araújo escreveu – e para um público muito jovem – sobre a importância de não desistir do que se quer, utilizando o sonho como uma alternativa viável para alcançar nossos objetivos. Se for verdade o que diz aquele ditado – “Se podemos imaginar, então podemos realizar” – o caminho parece ser este mesmo.

Outro mérito do livro é a linguagem simples, porém honesta e direta, com a qual o autor conversa com seus leitores. Ao contrário de muitos livros infantis que já tive a oportunidade de ler, Tael de Araújo não trata seu leitor com indigência, dando a ele credibilidade intelectual e respeitando a capacidade de raciocinar que toda criança possui. A obra instiga a pensar, a imaginar, colocando o pequeno leitor no lugar de Zazá, e perguntando: com o que você sonha? E mais: como fará para conseguir o que quer?

Duas perguntas simples, porém inquietantes, cujas respostas passamos a adiar e ignorar na exata medida em que vamos crescendo e envelhecendo.

Zazá também cresceu, como irão crescer todas as crianças. Como nós mesmos crescemos. Porém eu acredito, e creio que Tael de Araújo também acredite, que é na infância que arraigamos princípios e conceitos que levaremos pela vida inteira. E estas verdades permearão nosso futuro, nossas escolhas, e as pessoas que seremos: eis a importância da infância, e de passar aos pequeninos valores que, ao invés de um fardo, serão uma libertação.

A literatura possui um papel importante nesta formação de personalidade individual. É o combustível e a mola propulsora que ativa as engrenagens de nosso cérebro, e nos ensina a pensar com a nossa própria cabeça. E quando a literatura deixa de ser somente entretenimento, e passa a ser motivo de reflexão, de indagação, de imaginação, ela cumpre integralmente seu papel, e promove mudanças reais na vida do leitor. Mudanças talvez imperceptíveis, mas fundamentais para a evolução da espécie. 

E daí não importa se o leitor tem sete ou setenta anos: a literatura deve tirá-lo do lugar onde ele confortavelmente se encontra.

Pessoalmente, respeito muito o trabalho de Tael de Araújo. Seu primeiro e-book voltado ao público infantil, A Incrível Fábrica de Lagartos, tal qual A Pequenina e o Fantástico Baile Estelar, também interage e trata o leitor com respeito e honestidade. Instiga os pequenos a pensar, e cria com eles uma conexão natural e amistosa.

O fato de o livro ser lançado em formato digital, e possuir booktrailer, trilha sonora, e uma série de possibilidades de intercâmbios sociais, somente facilitam este vínculo, estimulando o leitor de diferentes maneiras. A tecnologia se torna aliada da literatura, e passa a acrescentar na relação leitor/autor e obra – como deve ser.

A Pequenina e o Fantástico Baile Estelar é um livro que certamente veio para somar na estante virtual de todo pequeno leitor. E na de todo adulto, pai e mãe ou não, que sabe a importância que a boa literatura tem na vida de todo cidadão. 

Por que seja com sete ou com setenta anos, não devemos permanecer sempre no mesmo lugar. Ainda mais se há um fantástico baile estelar acontecendo sobre nossas cabeças, neste exato momento.

O e-book está disponível para download gratuito no site www.taeldearaujo.com.br. Seu booktrailer pode ser visto no You Tube. Já a música da obra, assim como sua animação, pode ser conferida neste link.
Jana Lauxen
  
Jana Lauxen é editora, produtora cultural e escritora, autora dos livros Uma Carta por Benjamin (2009) e O Túmulo do Ladrão (2013). Atualmente trabalha na Editora Os Dez Melhores. Site: www.janalauxen.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.