Escritoras realizam imersão de condução e revelação de novos escritores


A vida supera qualquer ficção e é isso que as mediadoras fazem os participantes descobrir


As escritoras Adriana Calabró, autora de Partidas- Dobra, Coletânea Off Flip- Selo Off Flip, A medida de todas as coisas, pela RDG, Dois Pólos, pela Escrituras e as peças Autobiópsia e Dezamores e Alana Traucynski, que publicou Recalculando a rota: uma louca jornada em busca de propósito, também pela RDG, vêem o Carnaval como uma oportunidade não de mergulhar na fantasia ou no clima inebriante da festa pagã, mas numa oportunidade daquelas pessoas cujas vidas dariam um livro de descobrir como fazer com que aquelas ideias ganhem páginas, emocionem e inspirem outros a comprovar que a vida realmente supera qualquer ficção.

O workshop A História que Você Precisa Contar, de 14 a 16 de fevereiro, programa para no sábado, das 9h30 às 19h e domingo das 10h às 18h trabalhar com os participantes autoconhecimento, motivação, estruturação, inspiração e técnicas de linguagem como a Jornada do Heroi, usada inclusive por novela bem sucedidas. Mas não só. A proposta é por o coração dos potenciais escritores no papel. E os envolvidos se transformam não só contando suas próprias histórias, mas também ouvindo a dos colegas em jornada literária similar. Durante o processo, antigos estudantes contam que se desprenderam de julgamentos, sentiram à vontade, partilharam e se inspiraram com as experiências um do outro: https://www.youtube.com/watch?v=jLPtpUCvXUQ.

Alana não só escreve, mas incentiva que estudantes ou participantes de suas palestras “encontrem seu propósito”. Ela produz conteúdo, roteiros, viajou o mundo por 13 anos, morou em 5 países e 17 cidades diferentes. Tem formação em Turismo e Hotelaria, com extensão em Marketing e RP, trabalhou em TV, revista e Internet. Se especializou em storytelling, tem uma coluna no Nômades Digitais, projeto do Hypeness com experiências bem sucedidas de quem seguiu seu propósito por vias não tradicionais. A facilitadora escreve matérias, faz pesquisas, traduções e análises de mercado para potenciais investidores internacionais. Suas palestras motivacionais focam em multipotencialidades e na contramão de muitos psicólogos ou coachings, afirmam que “não precisamos ter foco”: https://www.youtube.com/watch?v=fGyHTZRfSyM. Nômade profissional, fala quatro idiomas e sua comunidade Recalculando a Rota inspira os seguidores a “pensar e agir fora da caixa”.

Além da literatura, Adriana Calabró trabalhou como dramaturga, roteirista, foi publicitária e redatora no País e fora, em agências, revistas, portais, foi atriz, pesquisadora, produtora e atuou com Gabriela Alves, Ulysses Ferraz e Caroline Bittencourt. Tem sete prêmios em comunicação e literatura, entre eles Best of Bates International, Festival de NY, Prêmio João de Barro e Prêmio Off-Flip. Há quatro anos no espaço Grupo Beco de escritores, estuda e fomenta a área. Orienta escritores formais ou anônimos no desenvolvimento de seus textos, faz livros para terceiros (ghostwriting), além de realizar Oficina de Escrita Criativa Palavra Criada há dez anos.

Se você sente que tem uma “história encroada”, pulsando feito “leite empedrado de mãe”, essa sim é uma ocasião para um Carnaval literariamente inesquecível. Os R$ 710 podem ser parcelados em duas vezes e para mais informações, escreva: voceprecisacontar@gmail.com ou ligue para 957743420/ 992999947. O curso será na rua Mário de Alencar, 222, Pinheiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.