Café Literário: Fotografia



Fotografia é apenas uma fração congelada do tempo, a qual, na visão ímpar de cada pessoa, há um significado diferente. É um passado parado diante dos nossos olhos; é simplesmente o marco de algo ou alguém, em alguma época que não é a de hoje, detentora do poder de nos teletransportar na máquina da vida, esquecendo do presente e do futuro, vivendo imageticamente o passado por frações de segundos, tentando enlouquecidamente sentir alguma coisa que transborde, não só nos olhos, mas também na alma.

É tipo saudade, sabe? na maioria das vezes, 'é tudo aquilo que fica daquilo que não ficou'...

É lembrança, é passado, perdeu-se no tempo (perdeu-se?? ...) ... Mas também é felicidade; já parou pra pensar? Nossos melhores dias ficarão para sempre registrados não apenas em nossas memórias, mas também impresso em alguma fotografia na parede...

Falando assim, como não lembrar da Confidência do Itabirano de Carlos Drummond de Andrade? Aliás, talvez só eu lembre, mas é que partilho do mesmo conflito existencial de Drummond, e por certo, pego-me a pequenos detalhes de seus poema, tais como este: 'Tive ouro, tive gado, tive fazendas. Hoje sou funcionário público. Itabira é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói!'. Viu? me dói e me dá saudade só de ler, sabe porquê? Porque eu sou movida pelo sentimento de alteridade!

Digo por fim, que para mim, é apenas triste saber que as fotos de hoje não passarão apenas de história e estórias algum dia... Entretanto, espero de coração, que não sintamos a mesma dor de Drummond, e sim, 'os laços invisíveis' de felicidade que elas nos revelam!

Fotografar é parar o tempo no passado, para poder vê-lo no futuro.

Abraços, Sm.

Samara Machado
samara-mcs@hotmail.com 
  
Olá a todos, sou Samara Machado, tenho 20 anos, vestibulanda de Medicina (por enquanto), moro em Salvador-Ba e sou uma 'pseudoescrita' ainda. Comecei a escrever em meados de 2010, e de lá pra cá não parei mais. Tenho verdadeiro fascínio pela escrita. Estou aberta para debater sobre quaisquer temas, no entando, prefiro escrever sobre a realidade do meu dia a dia. Abraços, e até o próximo texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.