Confira a entrevista de Leila Krüger, autora de "Reencontro", para o blog Barato Cultural!

 

Leila Krüger nasceu em Ijuí, Rio Grande do Sul. É romancista, poeta e contista. Tem poemas e contos em jornais, revistas e portais na Internet. Lançou “Reencontro”, sua primeira obra, um romance, em 2011 pela Editora Novo Século – SP. Após recebeu premiações nas categorias conto e poesia. Lançou o livro de poemas “A Queda da Bastilha” na Feira do Livro de Porto Alegre em 2012, pela Confraria do Vento – Rio. Em 2014 publicou o livro de crônicas “Coração em Chamas”, pela Multifoco – Rio, selo Redondezas Crônicas. Participou de várias antologias de poemas e contos entre os anos de 2011 e 2014.

1 – Primeiramente, seja muito bem vinda ao Barato Cultural! Bem, sabemos resumidamente sobre o seu trabalho e os livros que lançou. Mas, quem é Leila Krüger? 

Leila: Obrigada, eu que agradeço o convite! Essa é a pergunta que nunca vai calar, eu acho. É o que tento responder quando escrevo cada linha, quando observo cada cena, quando tenho cada ideia. Mas, especialmente durante os últimos tempos, aprendi que é importante termos a “liberdade de sermos nós mesmos”. Ter nossos preceitos, nossas raízes, mas nos permitirmos mudar, descobrir coisas novas, aprender. Resumindo, sem ser tão vaga, eu nasci no Rio Grande do Sul, tenho formação na área de Comunicação, amo escrever, amo livros – os bons, é claro –, tenho uma curiosidade nata pelas coisas e cada vez aprendo mais a gostar de tudo o que a vida tem a me oferecer de melhor. Sem medo e sem culpa, mas com responsabilidade e sinceridade. Na verdade, eu sou só aquela garota tímida de onze anos que nunca vai embora! 

2 – Como surgiu a Leila escritora nessa jornada?

Leila: Acho que ela nasceu junto comigo, mas foi descoberta aos poucos. Ainda no primeiro grau escrevi meu primeiro livro, que ficou engavetado e se perdeu. Aí comecei a escrever em blogs e tal. Eu sempre ia bem em Português no colégio, elogiavam minhas redações, mas só lá por 2010 fui pensar em publicar um livro. Essa história de “Reencontro”, meu primeiro livro, ficou por muito tempo ruminando na minha cabeça, até que um dia me sentei e a escrevi até o fim. Foi uma coisa de alma. Não consigo pensar em uma história que não venha da alma de um escritor. Com a publicação de “Reencontro” surgiu oficialmente a escritora, ao menos para mim foi o marco. Daí não parei mais de escrever e de ler, cada vez mais. Romances, poema, crônica, até conto. 
 
A entrevista completa você pode conferir acessando o link do Barato Cultural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.