Contos Fantásticos: Uma partida de xadrez contra o Diabo

Uma Partida de Xadrez Contra o Diabo

Certa vez, dentro do círculo de enxadristas ao qual pertenço, um senhor que tinha forte ligação com o xadrez relatou uma estória deveras macabra. Não me recordo seu nome porquanto ele havia aparecido para participar de um torneio de enxadristas amadores na cidade do Rio de Janeiro e seus resultados no campeonato não foram expressivos, ademais soube apenas os nomes de dois dos três protagonistas da estória. Contudo, lembro-me que esse senhor aparentava ter entre sessenta e setenta anos de idade, trazia um leve sotaque hispânico e conservava uma hirsuta barba grisalha.

Um dos protagonistas do relato se chamava Castor Z. Baldez, espanhol de Gijón e detentor do título de Grande Mestre Internacional de Xadrez. O outro era o Diabo. Nosso narrador disse que Baldez era um homem recluso, pois padecia com esporádicas crises de esquizofrenia. Embora tímido e introvertido, Baldez revelava - para alguns amigos e de maneira informal – certas artimanhas sobre a arte enxadrística. Como era filho único e órfão de pai e mãe, Castor era um homem solitário que não mantinha contato com seus parentes, já que não nutria nenhum sentimento especial por eles.

O nosso narrador contou que um dia Castor Baldez apareceu na casa de um amigo, em Gijón, tarde da noite. Baldez tinha o rosto branco como uma vela e os olhos injetados de terror. Numa mão um tabuleiro, na outra um relógio de xadrez e trinta e duas peças metidas num saco de couro. Como uma criança, pedira para passar a noite na residência de seu melhor amigo, que também era seu médico, porque não estava se sentindo bem naquela noite. O amigo não negou abrigo e aboletou o visitante na sala de sua residência.

Com os olhos que denunciavam verdade, o velho barbudo disse que o médico levantara exatas duas vezes durante a madrugada para urinar e vira Baldez jogando xadrez sozinho. Na segunda vez, o amigo abordou o enxadrista a fim de saber o motivo que lhe deixava insone ao ponto de permanecer praticando xadrez até a madrugada.

Nosso contador de estórias arregalou os olhos impingindo algum mistério no local onde estávamos e garantiu que Castor Baldez havia dito que estava se preparando para um desafio de xadrez. E que o médico logicamente quis saber detalhes sobre o desafio e perguntou sobre o adversário, e também sobre quando e onde seria a partida. Prontamente, o GM Castor Baldez havia dito que iria começar em cinco minutos, no local onde ambos estavam e a partida seria contra o Diabo.

Foi-nos revelado que o médico titubeou ao ouvir a verdade de seu amigo, mas que certamente Baldez estava ingressando em outra crise de esquizofrenia. Assim, o médico resolveu não contrariar o amigo doente e falou que iria dormir para não atrapalhar a disputa noturna. Estranhamente, o grande mestre havia agradecido com efusivos gestos. O amigo retirara-se do cômodo, mas havia ficado imerso numa penumbra que enegrecia parte do corredor de sua residência. Dali, ele pôde deslindar o desenrolar esquizofrênico dos fatos sem que seu amigo pudesse vê-lo. Nosso narrador enfatizou, com as mãos senis espraiadas para cima, que Baldez não sabia da posição de seu amigo no corredor.

O senhor barbudo continuou a estória dizendo que o grande mestre Castor Baldez havia aberto a porta da casa, depois se sentado em frente ao tabuleiro, arrumado as peças e dado corda no relógio de xadrez. E que com alguns minutos Baldez havia tomado um susto tão grande, como se alguém houvesse aparecido repentinamente a sua frente, que em seguida suas mãos começaram a tremer e que mesmo assim ele se levantou e cerrou a porta da residência.

Que logo em seguida o enxadrista havia voltado para a mesa que sustinha o tabuleiro e movera o peão do rei duas casa a frente, dando início a uma partida de xadrez, e depois apertara o botão que parava seu relógio.

O homem que relatava a estória suspirou e continuou afirmando que o médico sabia que a próxima jogada não seria feita por uma mão invisível porque aquela situação não era espiritual, mas sim física; uma doença do corpo e não da alma. E o lance seguinte também foi feito pela mão de Baldez, o que – apesar de toda certeza – tranquilizou seu amigo ainda afundado na escuridão do corredor.

Soubemos que a partida seguiu por quase uma hora e que todos os movimentos de peças e paradas de relógio foram feitos por Baldez que ora demonstrava excitação, ora demonstrava nervosismo; e em certos momentos frustração, refletida com o menear negativo de seu crânio.

O que certamente nos assustou foi a continuação do relato feita por aquele desconhecido senhor. O homem continuou garantindo que o médico tinha visão privilegiada do tabuleiro e que próximo de completar uma hora de partida Baldez, que estava sentado como se jogasse de peças brancas, havia sofrido um xeque-mate de bispo com o auxílio de uma torre e um peão pretos. A peça que havia dado o xeque-mate fora a torre. Até aí tudo bem, mas nosso narrador nos asseverou que a torre se moveu assustadoramente lenta de um lado para outro do tabuleiro, passando sobre as quadrículas pretas e brancas que compunham sua fileira horizontal e sem a ajuda de Baldez que restou afundar o rosto nas palmas das mãos e soluçar num choro abrupto.

E que segundos depois, coisa de três ou quatro, Castor Baldez olhara para a escuridão - onde o médico estava espreitando - pedira desculpas pelo incômodo e agradecera a amizade que ambos haviam mantido. Mas antes de ganhar a noite, avisou que havia perdido a partida e a alma para o Diabo. Depois, saiu correndo da residência.

Nosso narrador conta que o médico arregalou os olhos de pavor ainda imiscuído na escuridão e que após a fuga de Castor Baldez, uma voz gutural exalando forte e nauseabundo odor de enxofre pronunciou “jaque-mate” perto de seu ouvido esquerdo.

Quisemos saber o que havia acontecido em seguida, mas nosso contador de estórias estava atrasado para retornar ao interior do Rio de Janeiro e revelou que naquela noite o grande mestre enxadrista Castor Z. Baldez havia se jogado na frente de um caminhão, tendo morrido instantaneamente.

Perguntamos ainda o nome do médico e o que acontecera com ele depois daquela noite. Soubemos que ele se mudara para a cidade de Cartagena, no sul da Espanha, na semana seguinte ao fato. E que lá, levara uma vida normal até cometer suicídio com um tiro na boca, há muitos anos.
Lamentamos o desfecho do médico, contudo insistimos em saber seu nome, porém o velho barbudo, sem tergiversar, avisou que não iria revelar o nome de seu pai. Nós, desidratados pela vergonha, desejamos-lhe uma boa viagem.

Luciano Barreto

Luciano Barreto é bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade Candido Mendes; pós-graduando em Redes de Computadores, servidor público federal e contista amador. É um aficionado pelos contos de terror e ficção científica. Luciano também é um dos organizadores do sítio www.contosdeterror.com.br onde publica seus contos e os melhores contos que encontra na Internet. Membro d'A Irmandade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.