Café Literário: Insuficiente


O difícil é quando você não é suficiente para alguém. AQUELE ALGUÉM. Que faz o coração pulsar em um ritmo frenético e desenfreado. Que faz a mão suar. Que faz a alma sorrir. Que faz os violinos soarem nos altos falantes da cidade...

Ahhh quem me dera, quem me dera ser suficiente para esse alguém...

Mas assim seria fácil demais, a vida seria fácil demais se nós fossemos suficientes.

E a vida não é fácil, aliás, ninguém disse que seria fácil! Todo mundo tem que sofrer, todo mundo tem que ser insuficiente para algo. Para alguém. É assim para todo mundo. Alguns mais, outros menos, mas todos.

O mal do século, o mal comum, a dor generalizada do mundo, é falta do AMOR. É a solidão que transborda a alma. Que flameja nos poros do corpo escarnecidos pelo tempo. O mal do século é a insuficiência. A falta do encontro. É o desencontro. É tudo aquilo que não foi dito.

Quando você não é suficiente, é quando você é só pela metade. Pelo avesso. É quando você anda na contramão do tempo e tudo se transforma em meio. Meio bom. Meio ruim. Meio escritor. Meio músico. Meio alguém. Perdido dentro de si mesmo, mergulhado em si próprio, querendo fugir, querendo se desconectar do tempo por uma milésima fração de segundo que seja, só para a ter a sensação de se sentir o TODO. O Suficiente. Uma vez sequer que fosse.

E se sentir completo. E andar a favor da correnteza.

Mas claro que não é assim. Ah, a insuficiência do tudo...

Quando você não é suficiente, qualquer lugar é o meio do caminho. Não tem fim. Não tem chegada. Não tem começo. É só meio. Meio tudo. E eu que queria ser o tudo, só fui o meio. A meia parte do todo. A escada para alguém que nem possuía degraus. Eu só fui o meio do oceano. Onde não há tudo. Onde há (in)suficiência do nada. Um paraíso sem borboletas. A paz sem voz. Um meio. Nem tudo nem nada. O meio.

E há quem diga que isso seja equilíbrio. Meu amor, só tem o equilíbrio quem já teve o tudo. Quem sentiu. Quem teve amor. Equilíbrio, é quando você anda por extremos e opta por ficar com os dois lados. Meio não é equilíbrio. Insuficiência também não! Então não diga que é equilíbrio.

Quando você não é suficiente, nenhum lugar serve. É preciso ser o tudo. O tudo de alguém. O SEU tudo. Vez ou outra. Mas há que ser. Alguma vez. Tem que ser. E aí o Meio vai ser a porta de boas vindas para tudo que é suficiente.

Porque a insuficiência, meus caros, é o MEU mau do século.

Permitam-se Ser o tudo, vale a pena.

Samara Machado
samara-mcs@hotmail.com

Olá a todos, sou Samara Machado, tenho 20 anos, estudante, moro em Salvador-BA e sou uma ainda 'pseudoescrita'. Comecei a escrever em meados de 2010, e de lá pra cá não parei mais. Tenho verdadeiro fascínio pela escrita. Estou aberta para debater sobre quaisquer temas, no entanto, prefiro escrever sobre a realidade do meu dia a dia. Abraços, e até o próximo texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.